Rádio Observador

Sono

Dormir cinco horas e funcionar? É o gene Marcelo

419

Dormir muito pouco e passar o dia como se nada fosse. Há pessoas que o conseguem. As tais que, dizem os cientistas, serão portadoras do gene 'p.Tyr362His'. Ou, para descomplicar, do gene Marcelo.

Gene Thatcher ou gene Marcelo?

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Deitar, fechar os olhos, esvaziar a cabeça e deixar o corpo desligar-se. Calma, aqui falamos apenas de dormir. Durante muito tempo, oito horas de hibernação era o ideal para a saúde e para enfrentar cada novo dia. Agora, ao que parece, apenas são necessárias sete, disse recentemente um estudo. Mas há quem passe bem até só com cinco. Quem nos diz? A ciência. Ou melhor, um gene.

Em código, chama-se ‘p.Tyr362His’. Nome complicado, portanto. Daí talvez que, ao escrever sobre a recente descoberta do Centro de Genómica Aplicada de Filadélfia, nos EUA, a imprensa inglesa se tenha lembrado de Margaret Thatcher. Essa mesmo, a Dama de Ferro. Mas isso nem é o mais importante — o que interessa esteve nas poucas horas que a antiga primeira-ministra britânica (entre 1979 e 1990) dormia por dia.

Isto porque raro era passar das quatro horas de sono, recordou o Daily Telegraph. Portanto, o tal gene foi batizado como o gene Thatcher. Em Portugal, de resto, também é possível ludibriar o original nome de código do gene. Basta ir buscar um exemplo de quem se habituou a dormir pouco e a viver bem com isso: Marcelo Rebelo de Sousa. Em 2003, por exemplo, garantiu ao Público que trabalhava até às 4h, 5h, e acordava depois entre as 8h e as 8h30.

E pronto, para nós fica o gene Marcelo. Mas, afinal, do que se trata? Entra a ciência. Em suma, os investigadores do Centro de Genómica Aplicada de Filadélfia descobriram que as pessoas portadoras deste gene conseguem “funcionar” com menos de cinco horas de sono. A conclusão surgiu após analisarem 100 pares de gémeos e as diferenças entre os padrões de sono de cada um.

O estudo, publicado na revista científica Sleep, concluiu que os gémeos portadores do gene dormiam sempre menos horas. E, sobretudo, mostrou que, após 38 horas sem dormir, quem possuía o gene Marcelo executava melhor algumas tarefas mentais que lhes eram pedidas.

Num par de gémeos, a diferença foi notória — após dia e meio privados de sono, um deles dormiu durante oito horas, enquanto o outro pernoitou por 9,5 horas. E o que dormiu menos horas até cometeu menos 40% de erros nos exercícios que, depois, lhes foram pedidos. “Isto revela que a nossa necessidade de dormir é um requerimento biológico, e não uma questão de preferência pessoal”, defendeu Timothy Morgenthaler, presidente da Academia da Medicina do Sono norte-americana.

Agora, já sabe — se conhecer uma pessoa a quem pouco dormir nada interfere na atividade diária, lembre-se que a culpa poderá ser do gene ‘p.Tyr362His’. Caso não se recorde do nome, pense em Marcelo Rebelo de Sousa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)