Rádio Observador

Lei das Rendas

Governo recusa aumentar período de proteção para os mais pobres

O Governo está atrasado na alteração à lei das rendas, prometida até ao final de junho, mas já diz que há uma alteração que não vai levar adiante: o alargamento do período de proteção dos mais pobres.

Propostas do Governo só devem surgir em setembro

MÁRIO CRUZ/LUSA

Já passaram mais de dois anos desde que a nova lei das rendas está em vigor e o Governo, que prometeu alterações à legislação até ao final de junho, já descartou uma alteração: a de aumentar o período de proteção de cinco anos, para quem tem dificuldades económicas.

O Novo Regime do Arrendamento Urbano prevê um período de proteção para os mais pobres que durará até 2017, a partir daí, o Estado deixará de assegurar o congelamento do aumento das rendas destes casos e ficará apenas disponível para estas pessoas outros regimes de apoio ao arrendamento, como a renda social ou o arrendamento social. Mas um alargamento desse período está fora de questão para o ministério liderado por Moreira da Silva.

O ministro do Ambiente, Ambiente do Território e Energia, Moreira da Silva, prometeu uma alteração à lei até ao final de junho, mas entretanto está atrasado, e com o fecho da Assembleia da República e as férias este mês, a solução deverá ser remetida para mais tarde. Por enquanto, a resposta oficial do Ministério é que se está em “processo legislativo”. Contudo, em resposta ao Bloco de Esquerda, o ministério diz que “não faz sentido” aumentar o período de proteção de quem tem rendimentos mais baixos.

O Novo Regime de Arrendamento Urbano prevê que os arrendatários podem ter direito a uma resposta social no fim do período transitório de cinco anos, no decurso do qual, a renda está limitada a valores que resultam da taxa de esforço exigível em face dos rendimentos do agregado familiar do arrendatário. Esta opção legislativa significa que não faz sentido reivindicar um aumento do período de proteção dos arrendatários habitacionais, dado que esta proteção não foi limitada a u período em que as rendas não podem ser atualizadas acima de determinado valor e, um segundo período, em que, não obstante as rendas poderem ser aumentadas, o Estado promove formas de apoio social a quem dele carecer”.

Se nesta alteração a apresentar agora, as novas respostas sociais poderão ficar de fora, o Governo promete que o regime pós-cinco anos vai ser revisto até ao final da legislatura. Esta é aliás uma promessa antiga já feita quando era Assunção Cristas – antes da remodelação do ano passado – a tutelar a pasta. “A definição de um modelo social de proteção do arrendatário é uma das grandes prioridades do Governo e que, não obstante o mesmo só se destinar a ter aplicação a partir de 2017, o Governo entende que é necessário proporcionar segurança àqueles que carecem de uma resposta por parte do Estado e está empenhado em encontrar a solução para o problema, pelo que não deixará de promover o respetivo diploma legal até ao fim da legislatura”.

A alteração que deverá surgir nos próximos meses terá em conta as propostas feitas no último relatório da Comissão de Acompanhamento do NRAU, apresentado em maio. O relatório, tal como o anterior fazia, salientava a necessidade de alterações também (e sobretudo) no arrendamento não habitacional. E o ministro até garantiu as alterações no regime comercial em entrevista ao Negócios.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Lei das Rendas

A culpa não é dos governos, é nossa

Helena Garrido
2.780

Somos nós que validamos as escolhas dos governos. É por nossa culpa que estamos a suportar a crise dos bancos. E é culpa nossa acreditar que limitar o aumento das rendas resolve problemas na habitação

Lisboa

Lisboa à venda: de quem é a culpa?

Lucy Pepper
1.666

É complicado que esta seja uma cidade em que vivem pessoas com ideias fantásticas, e outras com enorme poder, todos a olhar enquanto Olisipo arde e uma paródia dela própria renasce das cinzas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)