Rádio Observador

Pais e Filhos

Cinco livros que tem de ler aos seus filhos

1.533

Um ensina a tolerar a diferença, outro a superar os obstáculos e os medos. E há um que sensibiliza as crianças para ajudarem nas tarefas domésticas. Pais e mães, já escolheram o livro desta noite?

Lembra-se de ser criança e lhe lerem um livro antes de dormir? Se há hábitos que passam de geração em geração, este parece não ser um deles. Para as crianças de hoje, um jogo no tablet ou na consola é o companheiro mais provável na hora antes do sono. Contrariando a tendência, os portugueses elegeram uma livraria infanto-juvenil como a melhor livraria de 2014, no habitual estudo da APEL (Associação Portuguesa de Editores e Livreiros).

Os responsáveis da livraria Cabeçudos não se podem queixar de falta de leitores pequenos e graúdos. “Há coisas que são difíceis de fazer perceber às crianças. Chegam aqui muitos pais que procuram um livro que as ajude em determinadas questões”, explica Raquel Salgueiro, responsável do espaço. “O medo do escuro e a dificuldade em explicar a morte são dois exemplos”. Raquel trabalha diariamente rodeada de exemplares de literatura infantil, mas prontifica-se a desmistificar algumas ideias: “Atenção: os livros infantis são para pequenos e grandes e é na leitura partilhada que ganham pais e filhos”.

Da aprendizagem de valores para a vida aos problemas do dia-a-dia. Os livros podem ser uma solução para muitos desafios na educação dos mais novos, refere Raquel Salgueiro. Os benefícios começam no próprio ambiente familiar: “Se lhes lerem uma história antes de dormir, instala-se uma tranquilidade incrível em casa depois da confusão do dia. É um momento afetivo, tranquilo e único com os pais.”

Ao afeto somam-se consequências positivas no desenvolvimento da criança. “O campo lexical vai aumentar muito rapidamente e o discurso melhora, porque vão conhecendo cada vez mais palavras e expressões”. E não há que ter medo de livros que tenham palavras muito difíceis, acrescenta. “Quando os miúdos não sabem o significado de uma palavra, costumam perguntar. São muito curiosos. É preciso alimentar essa curiosidade, essa descoberta.” Ao mesmo tempo, com as infindáveis distrações a que os mais novos estão sujeitos diariamente, “os benefícios no campo da concentração são imensos, eles estão focados enquanto lhes estamos a ler porque a imaginação está a trabalhar a grande velocidade”.

Em jeito de incentivo aos educadores, Raquel Salgueiro afirma: “os miúdos que leem desde muito novos vão ser melhores adultos, com mais opiniões e espírito crítico”. Perante o tom convicto, pedimos à responsável da livraria preferida dos portugueses em 2014 que escolhesse cinco livros essenciais, consoante a mensagem que contêm. Desde a tolerância à diferença, à superação dos obstáculos e à sensibilização das crianças para as tarefas domésticas, eis as sugestões de quem trata os livros infantis por “tu”:

  • Orelhas de borboleta – Luísa Aguilar e André Neves
  • O rapaz que tinha medo – Mathilde Stein
  • O livro dos porquinhos – Anthony Browne
  • O coração e a garrafa – Oliver Jeffers
  • Un et sept – Gianni Rodari e Beatrice Alemagna

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pais e Filhos

Vamos lá falar do pai /premium

Eduardo Sá
102

Se a mãe passasse algumas vezes pela forma como nós, pais, somos colocados no “nosso lugar” não sei se ela iria, por muito mais tempo, conseguir ser pai. Eu acho que não. Mas é só uma ideia...

Pais e Filhos

Maternidades muito modernas /premium

Eduardo Sá
665

É verdade que a maternidade nem sempre é um céu. Mas para certas pessoas muito “modernas”, é difícil aceitar a maternidade como aquilo que nos liga a tudo o que há de mais animal e mais humano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)