Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Vítor Bento, Carlos Tavares e a consultora KPMG só deverão ser ouvidos no parlamento depois de retomados os trabalhos parlamentares.

O Bloco de Esquerda, com o apoio do PS e do PCP, propôs a audição do novo presidente do Novo Banco (“banco bom” do BES), do presidente da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, Carlos Tavares e ainda da consultora KMPG, com caráter de urgência. Mas, na reunião de coordenadores da comissão de orçamento e finanças do parlamento, que reuniu antes da audição do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, a maioria PSD/CDS remeteu a votação desta proposta para setembro.

A maioria defendeu que estas audições só deveriam ser votadas na reunião da próxima comissão permanente da Assembleia da República, o órgão que reúne nas férias do Parlamento, mas esta comissão só tem reunião marcada em setembro, o que invalida qualquer audição de urgência neste mês.

Depois da reunião dos coordenadores, os deputados vão ouvir Carlos Costa, audição marcada para as 18h desta quinta-feira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR