Rui Veloso despediu-se dos palcos. Em entrevista ao Diário de Notícias, o “pai do rock português” disse que a paragem não tem fim à vista e mostra-se desiludido com a situação do país. “É muito difícil para mim aceitar a realidade do país. Fico à espera que isto um dia tenha compostura e volte aos valores básicos da vida”, disse o músico ao DN. Para Rui Veloso, esses valores perderam-se “algures nestes últimos 30 anos de grande confusão e de desrespeito total pelos portugueses”.

Nas crítica inclui-se a busca do sucesso promovida por alguns concursos televisivos: “A música é para todos, mas nem todos são para a música”, disse, afirmando: “vou parar”. A pausa não tem data de fim e Rui Veloso ter-se-á despedido dos músicos que o acompanhavam e não vai agendar concertos para os próximos tempos. Questionado sobre se já pensou em emigrar, o músico português descarta a hipótese, por ser um “artista local”.

Por agora, o cantor portuense vai tirar um tempo para si e para os seus. “Os tempos estão muito complicados e já ando há 34 anos a tocar e a não ter uma vida normal”, admitindo sentir falta “dos fins de semana e do verão, de não estar sempre a trabalhar quando os filhos e os amigos estão de férias”.

“É uma procura para voltar às raízes e uma reavaliação – que todos fazemos numa determinada altura de modo a saber o que a vida realmente é”. Rui Veloso conta com 34 anos de carreira. O primeiro álbum, Ar de Rock, foi lançado em 1980 e inclui o êxito “Chico Fininho”.

Rui Veloso comentou depois a entrevista. “Parar para pensar não é o mesmo de desistir, antes pelo contrário!! Voltarei aos palcos porque adoro lá estar e porque vivo dos concertos, é a minha vida!”, disse na página de Facebook, no domingo. “Vou parar os concertos durante uns tempos, para arrumar coisas na minha casa, tipo cd’s e dvd’s, e mais coisas na minha vida. Mas vou continuar a trabalhar para um disco novo no próximo ano! Isto é só uma paragem porque nunca parei e estou a precisar”.