Os islamitas da organização Estado Islâmico (EI) executaram mais de 700 pessoas, na sua maioria civis, nas duas últimas semanas na Síria, afirmou hoje Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Segundo a mesma fonte, citada pela Efe, as execuções deram-se nas localidades de Al Shuaitat, Garanish, Abu Hamam e Al Kishkia no leste da província de Deis al Zur, no noroeste da Síria, que foram tomadas pelo EI no passado dia 11 e onde residiam membros da tribo de Al Shuaitat.

Centenas de membros dessa tribo continuam desaparecidos, depois de terem sido ameaçados pelo EI que os considera “infiéis” e que devem ser mortos, pois não merecem “tréguas, segurança, dinheiro, comida, família, nem esposas”, segundo o OSDH.