Os serviços de segurança de Kiev divulgaram esta terça-feira um vídeo com imagens de alegados paraquedistas russos capturados quando seguiam numa coluna de blindados em território ucraniano.

Segundo as autoridades da Ucrânia, os 10 militares russos foram capturados na segunda-feira perto da aldeia de Dzerkalne, a cerca de 20 quilómetros da fronteira, tratando-se da primeira vez que Kiev reclama a prisão de soldados de Moscovo.

De acordo com fontes militares de Moscovo, citadas pelas agências de notícias russas, os militares atravessaram a fronteira acidentalmente.

Nas imagens que estão a ser transmitidas pelas televisões ucranianas, um homem com uniforme camuflado identifica-se como soldado Ivan Milchakov do Regimento de Paraquedistas 331, com base no centro da Rússia, e admite que entrou na Ucrânia integrado numa coluna de veículos blindados.

“Nós viemos para aqui em colunas que se deslocavam pelos campos, não muito longe das estradas” diz o homem uniformizado e de cabeça rapada, acrescentado que não se apercebeu do momento em que cruzaram a fronteira.

Na gravação vídeo, o mesmo homem diz que os soldados foram informados pelos comandantes que iriam ser enviados para a Ucrânia para uma missão de três dias sem que os objetivos da operação tivessem sido comunicados.

“Nós somos gente simples e fazemos aquilo que nos dizem para fazermos”, disse.

Um outro alegado soldado que se identifica como Ivan Romantsev diz que os números dos veículos blindados foram pintados com tinta branca e que os militares foram informados de que iriam ser enviados para manobras.

“Quando o meu blindado foi atingido eu percebi que não se tratavam de treinos e que aquilo não eram simples exercícios. Fiquei com medo”, acrescentou.

“Nesse momento percebi que nos tinham mandado para uma operação militar contra pessoas que não deveríamos estar a combater”, disse ainda o mesmo soldado, que sublinhou que os militares não se deram conta do momento em que atravessaram acidentalmente a linha de fronteira.

Uma fonte do Ministério da Defesa da Rússia disse a agências de notícias russas que “os soldados estavam em patrulha na zona de fronteira com a Ucrânia”, que atravessaram a linha sem saberem e que não estavam equipados.

A Ucrânia e países ocidentais têm acusado a Rússia de estar a enviar armamento e combatentes para ajudar os separatistas ucranianos nos confrontos contra as forças governamentais ucranianas.

As acusações têm sido negadas por Moscovo, que rejeita constantemente o envolvimento na guerra com as forças de Kiev.