A Brisa e a Ascendi estão a reclamar junto dos condutores espanhóis as portagens que não foram pagas desde 2009. Com a ajuda de uma empresa especializada, as gestoras rodoviárias esperam contactar os cerca de 300 mil espanhóis que circularam nas autoestradas portuguesas, e não exclusivamente nas ex-SCUT, sem pagar. As empresas não avançam, no entanto, quais os montantes em dívida.

O problema poderia estar relacionado com as autoestradas com portagens eletrónicas, em que o utilizador tem de pagar a portagem nos Correios ou por Multibanco, caso não tenha um dispositivo Via Verde, mas a Brisa diz que nas autoestradas onde são distribuídos títulos de viagem também há irregularidades, noticia o Jornal de Notícias. “O modelo de cobrança de portagens é idêntico ao que existe em Espanha. As máquinas distribuidoras de títulos de trânsito [têm] sinais informativos em português e inglês, através dos quais o condutor é informado de que deverá retirar o título de trânsito com vista ao pagamento da portagem respetiva aquando da saída da autoestrada”, refere a Brisa. Além disso, os identificadores espanhóis são equivalentes aos da Via Verde e podem ser usados nas autoestradas portuguesas.

Dos cerca de 300 mil espanhóis que já foram ou irão ser notificados, 40 mil notificações foram enviadas para a Galiza, segundo o jornal Faro de Vigo. Mas alguns condutores galegos notificados reclamam que já regularizaram o pagamento das portagens que lhes estão a ser cobradas. Os condutores notificados têm oito a 15 dias para regularizar o pagamento – o valor das portagens, as penalizações e mais 25 euros de custos administrativos -, caso contrário o processo seguirá para tribunal.