Rádio Observador

Primárias No PS

Finalmente há debates no PS… de 35 minutos

Os dois candidatos às eleições primárias do PS já (quase) fecharam o acordo para fazerem três debates. Saiba em que dias pode ver o confronto entre os dois socialistas.

Fernando Fontes

Depois de semanas de negociação, António José Seguro e António Costa já (quase) que fecharam o acordo sobre os três frente-a-frente que vão fazer na televisão. Ao Observador, o presidente da Comissão Eleitoral, Jorge Coelho, diz que os dois candidatos estão de acordo em fazer debates no dia 9 de setembro e a 23 de setembro. Costa concorda com debate a 5 de setembro, Seguro ainda diz que não.

“É com muita satisfação que posso dizer que chegaram a acordo”, diz ao Observador Jorge Coelho. Os dois candidatos às eleições primárias para a escolha do candidato a primeiro-ministro do PS, António José Seguro e António Costa, vão ter três debates nas televisões, mas ainda não fecharam a data do primeiro debate. Apesar das intenções iniciais de cada um, os dois concordaram com a duração de 35 minutos de debate proposta pelo presidente da comissão eleitoral – Seguro queria 45 minutos, Costa queria 25.

Mas o líder do partido ainda não deu o sim à proposta da comissão de realizar um frente-a-frente já na próxima sexta-feira, preferia dia oito, um dia antes de outro debate já acertado para dia nove. “Posso dizer que está 90% consensualizado para a candidatura de António Costa e 80% para a candidatura de António José Seguro”, diz Coelho.

Apesar da dificuldade em chegar a um acordo até sobre a realização de debates, Jorge Coelho prefere não falar em crispação entre os dois candidatos: “Tem havido grande disponibilidade. Não tem havido qualquer questão. O que me interessa é que está cumprido o nosso mandato”, diz Coelho.

Quanto às constantes denúncias que têm existido de parte a parte sobre alegadas irregularidades, Coelho insiste que “tudo corre bem” nas eleições primárias.

O presidente da Comissão Eleitoral vai reunir com as televisões sexta-feira para acertar as datas: “Também depende de as televisões estarem de acordo com o que foi combinado”.

Discussão longa

A discussão entre os dois candidatos e a comissão eleitoral sobre a realização de debates já vai longa. António José Seguro ainda esta quarta-feira voltou a acusar António Costa de querer “fugir” a debates. E mesmo depois do fim da discussão, a direção da campanha de Seguro insistiu nas críticas. Em comunicado, João Proença, diretor da campanha de Seguro insiste que “a recusa de António Costa inviabilizou a realização de debates até ao momento”.

Quanto à data proposta, Proença diz que no dia 5 de setembro há eleições nas federações distritais e que por isso propõe o dia oito. Apesar de aceitar a realização de debates de 35 minutos, Seguro mostra-se desagradado: “Para a nossa candidatura, o tempo ideal deveria ser superior a 45 minutos, para que os debates fossem de esclarecimento e de aprofundamento das propostas e das posições dos candidatos. Infelizmente, António Costa quer debates a despachar e por isso propôs 25 minutos. Lamentamos profundamente que os debates tenham apenas a duração de 35 minutos, o que prejudica o esclarecimento e o aprofundamento da discussão. Mas se essa é a única condição para haver debates, António José Seguro marcará presença”, diz.

Também a candidatura de António Costa fez chegar um comunicado em que diz que a proposta que foi fechada “não era a nossa proposta [da candidatura], mas aceitamo-la com o intuito de se chegar a um entendimento”. E justifica a não aceitação do debate antes do dia seis de setembro exatamente pela realização de eleições nas distritais: “As eleições federativas assentam em pressupostos , propostas, protagonistas próprios cuja autonomia deve ser preservada e respeitada como um dos pilares da democracia interna no PS”.

 

 

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)