Rádio Observador

Estado Islâmico

Existem 12 jihadistas portugueses no Iraque e Síria

257

O último relatório anual de segurança interna de 2013, publicado em Abril, referia a existência de portugueses nas fileiras do Estado Islâmico do Iraque e do Levante.

MARWAN IBRAHIM/AFP/Getty Images

Há 12 cidadãos portadores de passaporte português a combater ao lado do Estado Islâmico do Levante e Iraque (ISIS), de acordo com a edição do jornal Público desta terça-feira. Têm menos de 30 anos, vivem na Europa e, na maioria, são filhos de emigrantes.

Dos 12, dez são homens e duas são mulheres, e “não têm qualquer relacionamento com a comunidade muçulmana em Portugal”, escreve o jornal. Há duas semanas, o Observador publicou uma reportagem sobre o percurso e “leveza” desta comunidade. Nos diversos locais de culto pelo país, não existe qualquer registo de ensino religioso relacionado com os jihadistas – existem 52 mesquitas em Portugal.

O mesmo não se pode aplicar a toda a União Europeia. Só do Reino Unido, consta que existem 500 combatentes nas fileiras do ISIS, o que levou, ainda ontem, David Cameron a anunciar uma série de medidas contra-terrorismo. De Marrocos, já partiram 1200 cidadãos, segundo o ministro do Interior, Mahamend Hassad, “além de outros dois mil radicais de origem marroquina com a nacionalidade francesa, belga ou de outros países da UE.” Em 2011, durante um dos maiores períodos de tensão no regime de Bashar al-Assad, na Síria, partiram 50 cidadãos espanhóis para se juntarem aos jihadistas.

Os portugueses

Provêm do Reino Unido, França, Luxemburgo, Holanda, descendentes de famílias portuguesas oriundas do Norte de Portugal, mas há também cidadãos com ascendência de Angola e Guiné-Bissau. Para chegarem à Síria, tomaram duas rotas: voos regulares para a Turquia e depois por via térrea e passar a fronteira turco-síria; ou através de um voo para a Bulgária e depois por via térrea pela Turquia e Síria.

Segundo o Público, os jihadistas portugueses vivem “há longos anos em países estrangeiros e o seu doutrinamento e posterior recrutamento ocorreu nos locais de residência, nomeadamente na capital britânica e na Holanda.” Porém, existe também o caso de um jovem que vivia em França com os pais, nascidos em Tondela, e que agora faz parte do ISIS. “Em 22 de Maio último, na área de Mashahada, nos arredores de Bagdad, no Iraque, cometeu um atentado suicida”, escreve o jornal. Uma das principais fontes de recrutamento para os “combatentes estrangeiros” é a internet.

Até agora, não há conhecimento de que algum dos 12 indivíduos identificados tenha regressado de forma definitiva a Portugal, apurou o Público.

O último relatório anual de segurança interna de 2013, publicado em abril, já referia que existência de portugueses nas fileiras do Estado Islâmico do Iraque e do Levante.

 “Quanto à dinâmica da radicalização e da adesão a movimentos extremistas de matriz islâmica foram desenvolvidos esforços de acompanhar os fenómenos de auto-radicalização e a deteção de conexões entre cidadãos nacionais e movimentos jihadistas de cariz internacional. Neste contexto, destaca-se o empenhamento na adoção de boas práticas, partilhadas no âmbito da União Europeia,  no que tange à interação com as comunidades islâmicas instaladas e no apoio à adoção de medidas de anti-radicalização.”

No passado fim de semana, o semanário Expresso, também publicou a história de um casal português, ela filha de alentejanos e ele criado na linha de Sinta, que juntaram-se ao sonho do califado islâmico. (Link para assinantes)

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)