Conflito na Ucrânia

Barroso lamenta divulgação “distorcida” e “fora do contexto” de conversa com Putin

354

Embaixador russo em Bruxelas tinha ameaçado divulgar a conversa inteira entre Putin e Barroso, caso não fosse desmentida a frase atribuída a Putin de que poderia conquistar Kiev em duas semanas.

A Cimeira da Nato está a decorrer no País de Gales

ANDY RAIN/EPA

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, lamentou que a conversa privada que teve com o Presidente da Rússia tenha sido divulgada parcialmente, de forma “distorcida” e “fora do contexto”, disse esta quinta-feira na cimeira da NATO, no País de Gales.

“No seguimento de vários contactos que tenho tido com o presidente Putin, mas também com o presidente Poroshenko, informei os meus colegas do Conselho Europeu dessa conversa e houve uma parte da conversa que foi citada publicamente mas distorcida e completamente fora do contexto”, declarou Barroso aos jornalistas portugueses presentes na cimeira da NATO. Durão Barroso deu depois a mesma explicação em direto à CNN.

O ainda presidente da Comissão Europeia referia-se a revelações do jornal italiano La Repubblica, que afirmou que Putin terá dito a Barroso durante uma conversa telefónica “que podia tomar Kiev em duas semanas se quisesse”, declaração que Barroso partilhou no Conselho Europeu tido na semana passada.

Esta quarta-feira, o embaixador da Rússia em Bruxelas, Vladimir Chizhov, ameaçou divulgar a conversa “na sua totalidade”, caso os esclarecimentos por parte das autoridades europeias não fossem feitos até quinta-feira. E eles chegaram.

“Não é bom quando conversas confidenciais são parcialmente citadas e ainda por cima parcialmente deturpadas”, disse hoje Durão Barroso no primeiro de dois dias de trabalhos da cimeira da NATO.

Europa procura solução de paz para a Ucrânia

O português reiterou a necessidade de se encontrar uma “solução política” para a crise na Ucrânia, tendo dito que nos contactos com os presidentes da Rússia e Ucrânia tem “em nome da União Europeia” procurado que “haja um esforço para a paz”.

Sobre o eventual sucesso de um plano de paz para a zona, Barroso diz ser ainda “muito cedo “para dizer se vai funcionar ou não, mas deixou um alerta: “Já vimos num passado recente que às vezes as declarações não são seguidas de efeitos práticos. Mas vamos esperar”, sublinhou.

O Presidente ucraniano afirmou já que será assinado na sexta-feira um plano de cessar-fogo para terminar o conflito com os separatistas pró-russos no leste e que a NATO está disponível para apoiar militarmente a Ucrânia.

“Amanhã [sexta-feira] será assinado em Minsk um documento que prevê a introdução gradual do plano de paz para a Ucrânia”, afirmou Poroshenko à margem da cimeira da NATO.

Petro Poroshenko, que se reuniu com os líderes dos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Itália e França, afirmou que “é muito importante” que o primeiro passo num plano de paz garanta um cessar-fogo.

O conflito no leste da Ucrânia, entre as tropas de Kiev e separatistas pró-russos, causou perto de 2.600 desde meados de abril e centenas de milhares de refugiados e deslocados.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)