O Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou nesta quinta-feira que uma vitória do ‘sim’ no referendo sobre a independência da Escócia seria fonte de “incerteza” económica e poderia suscitar reações “negativas” nos mercados. “Um dos principais efeitos no imediato seria uma incerteza sobre a transição para uma situação monetária, financeira e orçamental potencialmente diferente na Escócia”, afirmou um porta-voz do FMI, Bill Murray, numa conferência de imprensa. “Essa incerteza poderia levar a reações negativas nos mercados a curto prazo”, acrescentou.

Os escoceses realizam a 18 de setembro um referendo que poderá ditar a sua independência do Reino Unido. “A vitória do ‘sim’ levantaria várias questões importantes e complicadas que teriam de ser negociadas”, declarou o porta-voz do FMI. A subida nas sondagens dos independentistas já se fez sentir na praça financeira de Londres, com uma queda da libra e receio de fuga de capitais.

As consequências da vitória do ‘sim’ a longo prazo “dependem das decisões que serão tomadas durante o período de transição e não quero especular sobre isso”, indicou Murray.