Cabo Verde e Portugal assinam na próxima sexta-feira um memorando de entendimento para alargar a parceria estratégica no domínio do emprego e formação profissional a novas áreas.

A informação foi avançada à imprensa pelo presidente do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) de Cabo Verde, Vargas Melo, e o seu homólogo português, Jorge Gaspar, que iniciou uma visita de trabalho de quatro dias ao arquipélago, indicando a assistência técnica, o empreendedorismo e a definição de um modelo de políticas ativas do emprego como possíveis novas áreas de cooperação entre as duas instituições.

“Em Portugal, as políticas ativas de emprego têm contribuído para a criação de emprego líquido. Creio que essa experiência, bem desenhada e, depois, melhor executada, poderá ter também o mesmo resultado em Cabo Verde”, considerou Jorge Gaspar.

“Temos feito uma aposta muito forte na área da formação profissional e é chegado o momento de perceber de que forma pode continuar a contribuir para não só o reforço das qualificações dos cabo-verdianos, mas também para a criação de emprego qualificado”, sustentou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O melhor indicador da qualidade da formação profissional é o emprego criado”, reforçou, frisando que é interesse de Portugal ajudar Cabo Verde a fazer formação profissional dirigida às necessidades das empresas e às estratégias de desenvolvimento económico do país.

Para o presidente do IEFP de Cabo Verde, Vargas Melo, a congénere portuguesa tem sido um “parceiro estratégico” para o arquipélago, pelo que o convite para a visita foi feito a Jorge Gaspar para este tomar conhecimento dos avanços do setor do emprego e formação profissional no país e das parceiras técnicas, logísticas e institucionais de Portugal.

O IEFP cabo-verdiano foi criado em 1994, na altura com apenas dois centros em todo o arquipélago, e 20 anos depois conta com 11 centros, sendo a cooperação portuguesa responsável pela construção e reabilitação de cinco deles, uma residência de estudantes e formado milhares de jovens que já estão no mercado de trabalho.

O presidente do IEFP-CV indicou que desde o início do ano o país está a implementar uma Carta de Política Integrada (CPI), pelo que vai precisar da experiência e capacidade técnica de Portugal para a sua implementação até 2018 “sem problemas”.

O responsável destacou a abertura do seu homólogo português em continuar a apoiar Cabo Verde, reforçando o desejo manifestado pelo ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social português, Mota Soares, que, de dezembro de 2013 a junho de 2014, efetuou duas visitas a Cabo Verde, a última para formalizar adendas ao acordo de cooperação bilateral existente.

Durante a sua estadia em Cabo Verde, Jorge Gaspar vai visitar vários centros de emprego e formação profissional na ilha de Santiago, participará numa conferência nacional para o emprego e será recebido pela ministra da Juventude, Emprego e Desenvolvimento dos Recursos Humanos cabo-verdianos, Janira Hopffer Almada.

A visita termina na sexta-feira.