Rádio Observador

Ambiente

Reforma da fiscalidade verde vai render 165 milhões de euros ao Estado

Taxas sobre o carbono, as passagens aéreas, os combustíveis e os sacos de plástico são algumas das medidas colocadas em cima da mesa pela comissão. Também há incentivos ao abate de carros.

Jo

A serem postas em prática todas as medidas constantes na proposta final de revisão da fiscalidade verde, que foi esta segunda-feira apresentada ao Governo, isso representará uma entrada de 165 milhões de euros nos cofres do Estado, escreve o Público na sua edição de terça-feira. Ao todo, as 59 taxas e impostos sugeridas por uma comissão de especialistas vale 198 milhões de euros, mas há que ter em conta os custos adjacentes a algumas das medidas, pelo que o valor realmente arrecadado é inferior.

Principais medidas propostas pela Comissão de Reforma da Fiscalidade Verde:

  • Taxa sobre os sacos de plástico: “Portugal é dos países onde se utilizam mais sacos de plástico (estima-se que sejam acima de 500 sacos per capita por ano)”, dizia a Comissão no anteprojeto apresentado em julho, no qual era proposta a introdução de uma taxa de dez cêntimos por cada saco de plástico vendido em cadeias de distribuição – super e hipermercados. Parte da receita daí resultante seria canalizada para o Fundo para a Conservação da Natureza e Biodiversidade. Na nova versão da medida, a taxa baixou para os oito cêntimos por saco.
  • Taxa sobre o transporte aéreo de passageiros: “Os impactos ambientais causados pela indústria da aviação são múltiplos e alguns deles bastante significativos”, justificava a Comissão para propor a criação de um imposto sobre todos os bilhetes de avião. A ideia foi revista e, agora, a proposta é que se taxem os voos domésticos e os realizados fora da União Europeia, uma vez que as companhias aéreas da UE já estão sujeitas a um mercado comum de emissões.
  • Taxa sobre o carbono: Apesar de muito polémica, é a principal medida proposta para a reforma da fiscalidade verde e poderá implicar aumentos dos preços dos combustíveis entre 1% e 7%. Permitirá o encaixe de cerca de 80 milhões de euros para os cofres do Estado
  • Incentivos ao abate de veículos: Com o objetivo de promover a renovação do parque automóvel nacional, trocando os modelos mais antigos e poluentes por modelos novos e mais amigos do ambiente, a Comissão propõe descontos no Imposto Sobre Veículos a partir dos dois mil euros por cada carro novo, consoante o modelo adquirido. Por outro lado, caso a pessoa que dê o seu automóvel para abate não queira comprar um novo, pode optar por receber vales para utilizar em transportes públicos.
  • Incentivo à utilização de transportes públicos: Está em cima da mesa a criação de portagens à entrada das cidades e também a criação de faixas de rodagem próprias para veículos automóveis com mais do que um passageiro. Noutro âmbito, e para contornar a impossibilidade de implementar um sistema de dedução à colecta das despesas com passes sociais, a Comissão propõe agora que se criem ‘tickets’ de transportes públicos, explica o Jornal de Negócios.

O relatório apresentado esta segunda-feira pela Comissão de Reforma da Fiscalidade Verde ao Governo resulta da revisão provocada pelo processo de consulta pública que decorreu até 15 de agosto e no qual tomaram parte dezenas de empresas, instituições e particulares.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)