Troika

Portugal já pagou pelos menos 4,4 mil milhões à troika em juros e comissões

Dados da Direção-Geral do Orçamento só mostram fatura com juros do empréstimo da troika a partir do início de 2012. Fatura já atinge os 4.365,5 milhões de euros, 413 euros por cada habitante.

Valor tem vindo a crescer de ano para ano e prevê-se que, em 2014, venha a ter a fatura mais elevada

M

Portugal pagou à troika cerca de 4,4 mil milhões de euros em juros e comissões pelos empréstimos do resgate internacional desde o início de 2012, quando a síntese de execução orçamental começou a compilar estes números. De acordo com a direção-geral do Orçamento (DGO), destes 4365,5 milhões de euros que foram pagos por Portugal ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e aos dois mecanismos da União Europeia e da zona euro que emprestaram dinheiro a Portugal, 164,7 milhões de euros dizem respeito apenas a comissões.

Os restantes 4.200 milhões de euros são juros do empréstimo que originalmente se previa que fosse de 78 mil milhões de euros, mas com a decisão de Portugal de abdicar da última tranche do empréstimo internacional (depois de o Tribunal Constitucional ter chumbado os cortes nos salários que estavam no orçamento no final de maio) e das variações nas taxas de câmbio que afetam a parcela do empréstimo do FMI, acabou por ficar mais perto dos 77 milhões de euros.

O valor tem vindo a crescer de ano para ano e prevê-se que, em 2014, venha a ter a fatura mais elevada, fruto naturalmente do valor do empréstimo ter vindo a crescer com os desembolsos referentes à aprovação de cada uma das revisões.

Em 2012, a fatura com juros e comissões paga à troika atingiu os 1.171 milhões de euros, subindo para os 1760 milhões de euros em 2013 e entre janeiro e agosto deste ano cifrava-se nos 1434,5 milhões de euros, mais 139,4 milhões de euros que o que se verificava no final de agosto de 2013.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nmartins@observador.pt
Tribunal Constitucional

Ainda há juízes no Luxemburgo!

Francisco Pereira Coutinho e Teresa Violante

Os cortes de subsídios, ao contrário do que refere o Tribunal Constitucional no acórdão de 5 de julho de 2012, estavam previstos no memorando de dezembro de 2011. A discussão continua em aberto.

Tribunal Constitucional

Uma crítica infundada

Ravi Afonso Pereira

É sempre louvável o escrutínio das decisões do Tribunal Constitucional, mas fazê-lo do modo como o fizeram os autores do artigo só contribui para a mais do que muita confusão existente neste domínio.

Política

Um partido não é uma família

Sandra Clemente
142

PSD, PS, BE, CDS e CDU, em 20 anos, perderam cerca de 850 mil votos, mas não assusta esta crescente insignificância dos partidos existentes, só assusta a possibilidade de novos partidos aparecerem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)