Macroeconomia

Economia alemã poderá crescer em 2014 menos que os 1,8% previstos

A economia alemã poderá crescer menos em 2014 do que os 1,8% previstos pelo governo, embora permaneça num nível "muito aceitável" face aos parceiros da União Europeia.

BORIS ROESSLER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Sigmar Gabriel, ministro da economia da Alemanha, explicou à rádio Deutschlandfunk que a crise na Ucrânia afetou o clima de investimento no país, não só nas empresas, como nas relações comerciais com a Rússia.

“Pode ser que, no final do ano, os números do Produto Interno Bruto (PIB) saiam um pouco abaixo da nossa previsão de 1,8%”, salientou.

“Não obstante, a Alemanha ainda apresentará, em termos de comparação a nível europeu, uma boa atividade económica”, garantiu, adiantando que o mercado de trabalho se mantém “robusto”.

Em abril, o governo alemão avançou com a previsão de que o crescimento da maior economia da Europa deveria crescer 1,8% no final deste ano.

Os dados oficiais divulgados em agosto mostram que o PIB se contraiu 0,2% no segundo trimestre deste ano, evolução que foi atribuída pelo governo alemão às tensões geopolíticas na Ucrânia e no Médio Oriente.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

O esbulho fiscal

Luís Aguiar-Conraria

Se é verdade que a nossa carga fiscal está ligeiramente abaixo da média da União Europeia, também é verdade que o nosso esforço fiscal está muito acima da média. Está, por exemplo, 37% acima do alemão

Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Bioética

Eutanásia: ouvir os avisos da Holanda

Isabel Galriça Neto

Os factos e a realidade da Holanda estão à vista de quem os quiser ver, não podem ser ignorados, e suportam a inconveniência de fazer uma lei que permita a eutanásia na linha das propostas existentes.

Finanças Públicas

O esbulho fiscal

Luís Aguiar-Conraria

Se é verdade que a nossa carga fiscal está ligeiramente abaixo da média da União Europeia, também é verdade que o nosso esforço fiscal está muito acima da média. Está, por exemplo, 37% acima do alemão

Arrendamento

As casas a quem as trabalha

Maria João Marques

Não se percebe bem se é um grande amor socialista pela homeopatia – vamos lá provocar a escassez de casas para combater a escassez de casas – se é mesmo uma reforma agrária agora em versão urbana. 

Democracia

Não é cool ser contra o 25

Pedro Barros Ferreira

Na música parece ser impossível ser de Direita e gostar de Sérgio Godinho. Pois eu gosto. Parece impossível gostar da “Vida de Bryan” e ser católico. Pois eu sou e esse filme é um dos da minha vida. 

Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site