Rádio Observador

Salários

Portugal no 21.º lugar do “ranking” do salário médio anual

Numa lista de 37 países da Europa, Médio-Oriente e África, Portugal ocupa a 21.ª posição no que diz respeito ao salário médio líquido anual.

O valor médio do salário líquido anual em Portugal é de 22.198 euros.

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Portugal ocupa a 21.ª posição entre 37 países da Europa, Médio-Oriente e África no que se refere ao salário médio líquido anual de um profissional sénior, num ranking liderado pela Suíça, Noruega e Dinamarca.

De acordo com as conclusões de um estudo da consultora Mercer sobre os custos totais do trabalho no mundo, divulgado esta segunda-feira, em Portugal o valor médio de salário líquido anual para profissionais seniores é de 28.194 dólares (22.198 euros), o que compara com os 129.329 dólares (10.1826 euros) da líder Suíça, os 98.778 dólares (77.771 euros) da Noruega (que surge na segunda posição) e os 95.137 dólares (74.905 euros) da Dinamarca (terceiro lugar). No extremo inverso surge a Argélia, cuja remuneração média anual é de 14.181 dólares (11.165 euros).

Já nos países analisados na região Ásia-Pacífico, a Índia surge com o salário líquido anual mais baixo para um profissional sénior, 6.585 dólares (5.185 euros), sendo que este valor representa apenas 10% do salário mais elevado oferecido na mesma região — 67.358 dólares (53.034 euros) pagos na Austrália para a mesma função.

Quanto ao continente americano, o primeiro lugar é ocupado pelo Canadá, que regista um valor de 64.107 dólares (50.474 euros), seguido dos EUA com 61.152 dólares (48.147 euros) e de Porto Rico com 55.897 dólares (44.010 euros), enquanto em último lugar surge o México, com 22.317 dólares (17.571 euros).

Entre os países avaliados, a Mercer destaca ainda a França como o que apresenta o valor mais alto de contribuição obrigatória do empregador sobre a percentagem do salário-base anual (45,2%), sendo que, na América, o país em que o peso do salário em proporção ao total de custos de trabalho é mais alto para cargos de administração e posições seniores é os EUA.

No trabalho faz-se notar que um salário-base anual elevado “não corresponde, necessariamente, ao custo total de um colaborador para uma empresa”, já que “o custo total de contratar alguém implica a soma de todos os custos diretos e indiretos atribuídos aos colaboradores, o que inclui o salário-base, benefícios, contribuições para a Segurança Social e impostos”. “O custo total de contratar um colaborador é consideravelmente mais elevado do que apenas o seu salário mensal, embora os colaboradores utilizem esta medida para avaliar outras potenciais posições similares no mercado”, refere o responsável de Estudos de Mercado da Mercer Portugal, Tiago Borges.

Neste sentido, sustenta, também “as empresas quando contratam devem ter a responsabilidade de não só obter uma compreensão completa dos custos totais — por posição e geograficamente — e como é que estes se comparam no mercado, como também comunicar o valor real dos pacotes de compensação para os atuais e potenciais colaboradores”. “Desenhar um pacote de compensação atrativo que favoreça tanto o colaborador como o empregador é um dos principais e mais difíceis desafios dos departamentos de recursos humanos, especialmente para organizações multinacionais que têm de considerar o custo total de contratações, o qual implica a soma da remuneração total anual mais as contribuições obrigatórias do empregador”, sustenta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)