Cultura

Évora Monte, o Castelo da Paz

322

Para assinalar o Dia Nacional dos Castelos, o Observador apresenta-lhe uma fortificação pouco conhecida, mas com um papel importante na história do país.

O castelo foi mandado construir em 1306

O Castelo de Évora Monte será um dos raros castelos portugueses que alia características únicas: pelo conjunto arquitetónico que enquadra, pela excelência da paisagem que dele se pode desfrutar, mas também pela sua importância histórica — visto que foi lá o encontro dos generais que em 26 de maio de 1834 puseram fim à única mas sangrenta guerra civil que Portugal conheceu.

Situado no cimo de uma colina com mais de 400 metros de altitude na parte mais ocidental da Serra d’Ossa no Alentejo, com acesso fácil a partir da autoestrada A6 e da Estrada Nacional 18,o castelo fica próximo de Évora. O património arquitetónico, civil e militar, é vasto. As muralhas, mandadas construir por D. Dinis em 1306, abrem-se em quatro portas principais: a Porta do Sol, a Porta do Freixo virada a poente e as Portas de S. Brás e de S. Sebastião, e que recebem o seu nome das ermidas dedicadas aos mesmos santos, situadas no exterior do Castelo. Às muralhas foram acrescentadas torreões com o objetivo de preparar um castelo para as novas tecnologias de guerra, integrado na chamada “segunda linha” de defesa fronteiriça.

Património: Antena instalada no castelo de Evoramonte que provocou polémica vai ser substituída.

Nuno Veiga/LUSA

Encimando a colina surge o monumento, atualmente conhecido por Torre/Paço de Évora Monte. Mandada construir nos inícios do século XVI pelos primeiros Duques de Bragança, D. Teodósio e D. Jaime, segundo as teorias históricas mais consensuais, é por muitos considerada como demonstração e símbolo do poderio da recém-nascida Casa de Bragança, pela sua localização, grandeza e visibilidade a muitos quilómetros de distância. Com uma arquitetura única em toda a Península Ibérica, da responsabilidade dos irmãos Arrudas, a Torre/Paço de Évora Monte parece ter cumprido duas funções muito diferente, uma vez que o seu aspeto de baluarte militar não seria mais do que uma exteriorização do poderio de quem a habitava, sendo apenas usada para jornadas de caça.

 

Nuno Veiga/LUSA

Nuno Veiga/LUSA

 

De Portugal para a Europa

A Convenção de Évora Monte, assinada neste Castelo pelo Duque de Terceira e General Saldanha pelo lado de D. Pedro, e pelo General Azevedo Lemos pelo lado de D. Miguel, constituiu não só o fim de um período sangrento da história de Portugal — as conhecidas Guerras Liberais — e o regresso da Paz, mas também o início de um dos períodos de maior desenvolvimento político, económico e social. Não é pois de estranhar que daqui partisse a ideia de promover a paz a nível europeu, contando com a parceria de outros locais na Europa com características históricas similares, ou seja, locais da Europa onde também foram assinados importantes tratados ou convenções de paz e que, tal como em Évora Monte, se mantêm vivos na memória desses locais.

O trabalho iniciado neste sentido em finais de 2008 pela Liga dos Amigos do Castelo de Évora Monte (LACE) teve repercussão imediata em vários outros locais na Europa, ao ponto de ter sido possível assinar no dia 28 de maio de 2010 em Évora Monte a constituição pública da Associação “European Network of Places of Peace” (“Rede Europeia de Sítios da Paz”), com membros fundadores oriundos da Holanda, Alemanha, Eslováquia, Bulgária, Turquia e naturalmente, de Portugal, aos quais se vieram a juntar mais tarde novos parceiros da Croácia, Hungria, Polónia e Israel. De entre os membros atuais desta Rede, contam-se associações sem fins lucrativos, organismos estatais e municípios. Esta Associação, que tem a sede em Évora Monte e é dirigida desde a sua fundação pela Liga dos Amigos do Castelo de Évora Monte, definiu como principais linhas de orientação a promoção de uma cultura de paz e o conhecimento mútuo entre os povos europeus no campo dos princípios e o desenvolvimento do turismo cultural em torno da paz, no campo das ações concretas.

A promoção de uma cultura de paz e o conhecimento mútuo entre os povos europeus tem promovido o desenvolvimento do turismo cultural em torno da paz, concretizado com a criação em 2012 da “Places of Peace Route” (“Rota de Sítios da Paz”) que atualmente se encontra a ser desenvolvida localmente em vários dos lugares aderentes, com a participação de mais de 50 organizações em toda a Europa, que incluem escolas, universidades, parceiros turísticos, municípios e associações sem fins lucrativos. O impacto que esta Rede e o projeto “Places of Peace Route”, considerado aliás como uma das prioridades no campo do turismo cultural pela “Tourism Task Force” do Parlamento Europeu, irá constituir uma das principais mais-valias da candidatura que brevemente será apresentada a programas europeus com vista ao financiamento futuro da atividade da Rede e à implantação da Rota.

 

Eduardo Basso
Presidente da Liga dos Amigos do Castelo de Évora Monte

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)