Rádio Observador

Espaço

Os melhores filmes de ficção científica sobre o espaço

335

Portugueses ligados à Astronomia escolheram os melhores filmes sobre o espaço. Quase 50 anos depois “2001: Odisseia no Espaço” continua a ser notável pelo rigor científico.

O que estará além do sistema solar tem motivado alguns produções cinematográficas

@ Miguel Claro

Corria 1961 quando o programa espacial soviético lançava o primeiro homem para o espaço, Iuri Gagarin. Apenas sete anos depois, Stanley Kubrick realizava outro feito memorável: a apresentação do filme “2001: Odisseia no Espaço”. “Este filme é um marco na história do cinema e simboliza um marco na história da humanidade”, refere Rui Agostinho, diretor do Observatório Astronómico de Lisboa (OAL). “Além disso, está muito bem feito do ponto de vista da física e astrofísica.”

2001: Odisseia no espaço”, apesar de realizado em 1968, tem muitos pormenores científicos corretos.

O diretor do OAL assume-se como um aficionado do cinema e da ficção científica. Embora admita que quando se vai ao cinema para descontrair não é preciso ser-se muito crítico em relação às questões científicas, na Semana Mundial do Espaço, que decorre de 4 a 10 de outubro e para a qual é coordenador nacional, prefere ser rigoroso nas escolhas. “Aquilo que é apresentado [no filme “2001: Odisseia no Espaço”] está muito próximo da realidade.” Também o filme “Gravidade”, de Alfonso Cuarón (2013), tem “uma série de situações de Física muito bem pensadas”.

Gravidade” é um dos filmes mais recentes relacionado com o espaço.

“[2001: Odisseia no Espaço] é a escolha mais óbvia”, concorda Vasco Teixeira, responsável pelas atividades de Astronomia no Museu Nacional de História Natural e da Ciência. “Até ao momento não encontrei outro filme de ficção científica mais inspirador e fascinante.” O comunicador de ciência elogia ainda o “realismo científico, os efeitos visuais pioneiros, as imagens ambíguas difíceis de interpretar a ponto de se aproximarem do surrealismo e o uso mínimo de diálogos.”

Ainda no domínio dos clássicos, segue-se a saga “Guerra das Estrelas”, de George Lucas, lançado originalmente em 1977. Para Nuno Santos, astrofísico na Universidade do Porto, é uma boa escolha “porque, apesar de toda a fanfarra pouco científica, é divertido e faz-nos sonhar”. E o espaço está no imaginário do público, ainda que os realizadores repliquem o estilo de vida na Terra, diz Rui Agostinho: o formato das asas das naves espaciais, os motores e as explosões.

Não devemos temer a responsabilidade e possibilidade de, eventualmente, sermos realmente únicos”, Miguel Claro, astrofotógrafo.

Viver no espaço é um dos sonhos da humanidade. O outro é o de saber se existe vida noutros planetas. Por isso, Miguel Claro, fotógrafo especializado em astrofotografia, escolhe o filme “Contacto”, de Robert Zemeckis (1997). “Com o avanço tecnológico, quem sabe se não estaremos realmente mais perto de obter uma prova dessa presença de vida inteligente. Seja como for, a ausência de contacto só torna a humanidade ainda mais especial. E não devemos temer a responsabilidade e a possibilidade de, eventualmente, sermos realmente únicos.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)