Rádio Observador

PSD/CDS

Passos atira a críticos e comunicação social: “Tantos são preguiçosos”

1.018

O primeiro-ministro decidiu este sábado atacar os comentadores, críticos e a comunicação social. Diz que muitos mais não fazem que imitar outros ao melhor estilo de "Maria vai com as outras".

Passos Coelho diz que têm saído "inverdades" sobre o Orçamento

ESTELA SILVA/LUSA

Passos Coelho acredita que tem sido criticado injustamente pelos críticos, por comentadores, mas também pela comunicação social: “Tantos são preguiçosos. É verdade, preguiçosos”, disse este sábado de manhã nas jornadas parlamentares do PSD/CDS que decorrem na Assembleia da República.

O primeiro-ministro, que fez um discurso com um tom agressivo e crispado, começou logo no início do discurso a comparar as contas deste Governo com o passado dizendo que agora são “transparentes” e “coerentes”. E foi neste seguimento que referiu que no espaço público têm sido ditas “inverdades como punhos” e que “é pena que neste exercício de coerência tantos sejam preguiçosos. É verdade, preguiçosos e às vezes orgulhosos”.

Se à primeira ideia, Passos Coelho estaria a referir-se aos críticos, nos minutos depois alargou o leque e produziu o maior ataque que já fez à comunicação social. Estava a falar da despesa pública – a bandeira deste governo desde início – e disse que só não a diminuiu mais porque a “política de irresponsabilidade” deixou “nas nossas costas um stock de dívida imenso”. “Não foi contraída por nós, e se não fosse o serviço dessa dívida, já hoje Portugal estava a ter um excedente orçamental. Coisa inédita na história da democracia portuguesa”.

Ora para o chefe do Governo é exatamente quando se fala de despesa pública que se erra no espaço público e que se dão informações erradas aos portugueses.

“Pasme-se: imensa gente escreveu e anunciou publicamente que não era assim. A despesa não desceu. É oficial, se ouvirmos as televisões, se lermos os jornais é oficial: os cortes não existiram, estamos como estávamos em 2011. Chega a ser patético verificar que gente que se diz independente tem de assumir que errou, que foi preguiçosa, que não leu, não estudou, não comparou e não se preocupou a não ser em causar uma boa impressão de ‘Maria vai com as outras” porque toda a gente diz e fica bem”, atirou.

Mas não ficou por aqui. Foi mais longe questionando: “Porque é que aqueles que todos os dias informam os portugueses e informam mal não hão de dar a mão à palmatória, não hão de pedir desculpa e não dão aos portugueses um direito a ter uma informação isenta e rigorosa?”

Críticas aos jornalistas que foram bastantes aplaudidas. Mas Passos Coelho não faz diferente do que muitos outros governantes fizeram quando se aproximavam eleições legislativas.

Eleições que para o primeiro-ministro só vão acontecer em outubro de 2015. “Não se preocupem que esse julgamento só vai acontecer daqui a um ano. Não somos como aqueles que só estão à espera das eleições. Vamos colocar reformas em cima da mesa porque somos um governo reformista e de mudança em Portugal”, terminou.

Já antes, o vice-primeiro-ministro Paulo Portas tinha recusado a antecipação de eleições. Passos Coelho foi o último a falar nas jornadas parlamentares dos partidos da coligação que decorreram sexta-feira e sábado na Assembleia da República.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
394

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Democracia

A segunda parte do 25 de Abril /premium

Rui Ramos
420

Há 40 anos, a Aliança Democrática salvou a democracia em Portugal. Como vai agora evoluir o regime, sem uma direita democrática reformista como a que em 1979 fundou a AD?

Política

A direita está em crise?

Fernando Leal da Costa

A crise da direita é conjuntural e resolver-se-á com a lógica darwiniana de adaptar-se para sobreviver. O primeiro problema a resolver é pois adaptar-se às circunstâncias sem que isso a descaracterize

Política

A alternativa conservadora

Pedro A. R. Esteves

A verdadeira alternativa está entre o socialismo/social-democracia e o conservadorismo, não na dicotomia esquerda-direita, e é aqui que as verdadeiras escolhas políticas se deveriam situar.

PSD/CDS

Onde estamos? À direita, no pior desde 1976

José Ribeiro e Castro
418

Há muito eleitorado que não percebe que PSD e CDS pareçam defender aquilo que criticaram, para amanhã voltarem a realizar aquilo que hoje criticam, ou arruinarem o país. Tudo o mais é jogo de palavras

Política

À atenção da direita /premium

Maria João Avillez
152

Espantei-me que não se espantasse mais com o estado de saúde das direitas em Portugal: que país normalmente constituído e com um regime democrático sobrevive com metade da democracia a funcionar?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)