Passos Coelho acredita que tem sido criticado injustamente pelos críticos, por comentadores, mas também pela comunicação social: “Tantos são preguiçosos. É verdade, preguiçosos”, disse este sábado de manhã nas jornadas parlamentares do PSD/CDS que decorrem na Assembleia da República.

O primeiro-ministro, que fez um discurso com um tom agressivo e crispado, começou logo no início do discurso a comparar as contas deste Governo com o passado dizendo que agora são “transparentes” e “coerentes”. E foi neste seguimento que referiu que no espaço público têm sido ditas “inverdades como punhos” e que “é pena que neste exercício de coerência tantos sejam preguiçosos. É verdade, preguiçosos e às vezes orgulhosos”.

Se à primeira ideia, Passos Coelho estaria a referir-se aos críticos, nos minutos depois alargou o leque e produziu o maior ataque que já fez à comunicação social. Estava a falar da despesa pública – a bandeira deste governo desde início – e disse que só não a diminuiu mais porque a “política de irresponsabilidade” deixou “nas nossas costas um stock de dívida imenso”. “Não foi contraída por nós, e se não fosse o serviço dessa dívida, já hoje Portugal estava a ter um excedente orçamental. Coisa inédita na história da democracia portuguesa”.

Ora para o chefe do Governo é exatamente quando se fala de despesa pública que se erra no espaço público e que se dão informações erradas aos portugueses.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Pasme-se: imensa gente escreveu e anunciou publicamente que não era assim. A despesa não desceu. É oficial, se ouvirmos as televisões, se lermos os jornais é oficial: os cortes não existiram, estamos como estávamos em 2011. Chega a ser patético verificar que gente que se diz independente tem de assumir que errou, que foi preguiçosa, que não leu, não estudou, não comparou e não se preocupou a não ser em causar uma boa impressão de ‘Maria vai com as outras” porque toda a gente diz e fica bem”, atirou.

Mas não ficou por aqui. Foi mais longe questionando: “Porque é que aqueles que todos os dias informam os portugueses e informam mal não hão de dar a mão à palmatória, não hão de pedir desculpa e não dão aos portugueses um direito a ter uma informação isenta e rigorosa?”

Críticas aos jornalistas que foram bastantes aplaudidas. Mas Passos Coelho não faz diferente do que muitos outros governantes fizeram quando se aproximavam eleições legislativas.

Eleições que para o primeiro-ministro só vão acontecer em outubro de 2015. “Não se preocupem que esse julgamento só vai acontecer daqui a um ano. Não somos como aqueles que só estão à espera das eleições. Vamos colocar reformas em cima da mesa porque somos um governo reformista e de mudança em Portugal”, terminou.

Já antes, o vice-primeiro-ministro Paulo Portas tinha recusado a antecipação de eleições. Passos Coelho foi o último a falar nas jornadas parlamentares dos partidos da coligação que decorreram sexta-feira e sábado na Assembleia da República.