Rádio Observador

País

Diretor do ICS retira de circulação número mais recente da revista Análise Social

1.239

O diretor do Instituto de Ciências Sociais, da Universidade de Lisboa, retirou de circulação o mais recente número da revista Análise Social. Direção cessante acusa-o de "censura".

A revista Análise Social é publicada ininterruptamente desde 1963 num regime trimestral

Autor
  • Marlene Carriço

Já estava impressa, mas não chegou a circular. O diretor do Instituto de Ciências Sociais (ICS), da Universidade de Lisboa, José Luís Cardoso, impediu que o número 212 da revista Análise Social – revista de referência na área das ciências sociais – fosse posto em circulação, em nome do “bom nome” da revista e da instituição.

Em causa, explicou José Luís Cardoso ao Observador, estava um “ensaio visual” de seis páginas do sociólogo Ricardo Campos, “não submetido à arbitragem científica”, que continha um “conjunto de imagens que do meu ponto de vista, enquanto diretor do ICS, são ofensivas e que punham em causa o bom nome e a reputação institucional do ICS porque não são enquadradas”. Para além disso como usava “de forma abusiva o nome de pessoas”.

análise social

Última das seis páginas do ensaio visual que constava do número da revista Análise Social, do terceiro trimestre

O ensaio continha fotografias de graffitis espalhados pela cidade de Lisboa que serviriam, segundo a direção editorial, para refletir “a frustração popular contra o grande capital e as políticas de ‘austeridade’ em vigor na União Europeia”. E este tipo de ensaio visual era uma inovação editorial que, explicou o investigador, dispensava a arbitragem científica – processo através do qual, nas revistas académicas como a Análise Social, se avalia a qualidade dos artigos propostos para publicação. O diretor do ICS considerou o conteúdo dessas páginas “ofensivo”.

Em reação à decisão do diretor do ICS, num e-mail a que o Observador teve acesso, o diretor e o conselho redatorial cessantes da revista “discordam profundamente deste ato, que associam a um gesto de censura” e a um “ato de ingestão [sic] sobre a isenção científica” da revista, defendendo que “o texto que acompanha o ensaio é por demais explícito sobre a sua natureza sociológica”.

José Luis Cardoso recusa aceitar que tal se trate de “um ato de censura”, mas antes “um ato de gestão”, reiterando que a revista “continua a ser um espaço onde a liberdade académica é sagrada”. Mas “a Análise Social não é um blogue, nem é uma revista de difusão de textos de opinião não fundamentados”, reafirma o investigador, lembrando que “a responsabilidade editorial” da revista é do diretor do ICS, ou seja, do próprio.

Agora a revista será objeto de um arranjo gráfico, para retirar o dito ensaio, e deverá ser posta em circulação dentro de duas semanas. Este foi o último número da responsabilidade da atual equipa cessante (João de Pina-Cabral, Catarina Fróis, Helena Jerónimo, José Neves, Pedro Ramos Pinto e Renato do Carmo). José Luis Cardoso não sabe dizer ao certo quando assumirá funções a nova equipa, mas será para breve. O novo diretor foi escolhido no início deste mês: José Manuel Sobral, investigador do ICS.

O diretor do ICS, que assumiu o cargo há menos de meio ano, recusa-se “a atribuir especial significado” a este episódio neste momento, em que o diretor e o conselho redatorial dos últimos três anos e meio estão de saída. O investigador não tem presente outro momento em que a revista tenha sido retirada de circulação no passado.

A Análise Social é a revista académica de referência na área das ciências sociais em Portugal. Publicada ininterruptamente desde 1963 num regime trimestral, é especializada nos campos da antropologia, história, ciência política e sociologia. Fundada por Adérito Sedas Nunes, considerado o pai das ciências sociais em Portugal, foi dirigida por vários nomes de referência da academia portuguesa, como Manuel Braga da Cruz, Manuel Villaverde Cabral e António Barreto. Com publicação também em inglês, a revista orgulha-se do “rigoroso sistema de arbitragem científica”, como se lê no site, e tem também o arquivo atualizado em pdf dos muitos números publicados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)