José Sócrates deu este domingo apoio aos subscritores do apelo ao Executivo para que PT se mantivesse nas mãos de portugueses, dizendo que o maior acionista da PT ainda é o Estado através do Novo Banco e do fundo de capitalização da Segurança Social e que a empresa ainda representa “um interesse estratégico para Portugal”.

“A PT deve ficar em mãos portuguesas, há um interesse estratégico para Portugal”, afirmou José Sócrates.

“Os sinais que o governo deu foram que estava disponível para vender e vender rapidamente. Até recebeu os ofertantes da Àltice”, disse José Sócrates no seu espaço semanal de comentário na RTP. O ex-primeiro-ministro corrigiu o Governo dizendo que não usou a golden share que detinha na empresa, para impedir a OPA da Sonae – “Isso é mentira, o governo absteve-se”. O socialista disse ainda que a fusão entre a PT e a Oi “é uma decisão final em setembro deste ano com o primeiro acordo em 2003”.

Ainda sobre as críticas que lhe foram dirigidas esta semana pelo ministro da Economia na Assembleia, Sócrates disse que o Governo “não conseguirá evitar balanço dos últimos quatro anos” e recomendou “educação” a Pires de Lima, dizendo que o ministro já não tem idade para se tornar num “marialva da política”. Já sobre as críticas tecidas a António Costa, o ex-primeiro-ministro diz que o Governo entrou em “histeria total”. “Eles estão a cair no mesmo erro que António José Seguro durante as primárias. Estão a olhar para António Costa como o próximo primeiro ministro e assim estão a transformá-lo no personagem principal da vida política”, concluiu.