Rádio Observador

Estudo Científico

Foi descoberto um vírus que altera a capacidade cognitiva dos humanos

787

Cientistas norte-americanos descobriram um vírus que infeta a garganta de adultos saudáveis e acreditam estar associado a alterações na capacidade de raciocínio.

Uma simples análise à mucosa da garganta pode revelar traços da passagem do vírus pelo corpo

Getty Images

Foi descoberto um vírus que parece estar associado à incapacidade intelectual. Um grupo de cientistas da Johns Hopkins Medical School da Universidade do Nebraska (EUA) identificou uma possível relação entre o ACTV-1 e algumas perturbações cognitivas, mas fizeram questão de sublinhar que pode não se tratar de uma relação direta. Ainda assim, os estudos apontam para uma tendência: as pessoas infetadas revelam um desempenho intelectual 10% mais lento, em especial em tarefas que requerem processamento visual.

O vírus ACTV-1 existe habitualmente em algas verdes de lagos e rios, mas também pode ser encontrado na garganta de adultos saudáveis. Esta presença já era conhecida mas só agora os investigadores começam a perceber qual a influência no nosso organismo.

Segundo o estudo agora publicado, o ACTV-1 parece não representar um perigo direto para o Homem, mas a forma com se mistura com o ADN humano altera, nalguns casos, a perceção e noção do espaço. Foram analisadas 92 pessoas (sem distúrbios psiquiátricos identificados), 40 das quais (43,5%) revelaram a presença do traço genético do vírus na mucosa da garganta. Nos indivíduos com resultado positivo, os testes demonstraram uma tendência para um menor desempenho cognitivo de certas capacidades, nomeadamente na noção de espaço, movimento e atenção.

Os cientistas da Johns Hopkins Medical School conseguiram transportar este modelo para ratos. Através da injeção do ACTV-1 no intestino das cobaias (que não continham o vírus), confirmaram alterações na capacidade de reconhecimento, memória e na perceção sensorial dos animais infetados. Contudo, os investigadores sublinham que a relação pode não ser direta, ou seja, que a presença do vírus só por si não seja a causa das perturbações intelectuais, que estas podem estar relacionadas com a presença de outros elementos químicos e alterações fisiológicas, ou variar de acordo com a capacidade do vírus alterar o código genético, uma relação que ainda está por estudar.

O Homem convive ao longo da vida com milhões de micro-organismos, acredita-se que grande parte não está sequer identificada, nem tão pouco é conhecida a sua influência no organismo. Eles vivem connosco, muitos à nossa custa (comensais) ou são-nos úteis de alguma forma (mutualismo), mas a ciência ainda não compreende muito bem a total influência desta relação. Uma coisa já se sabe: o código genético humano de adultos saudáveis contém traços de vírus e bactérias com os quais vive. E as consequências funcionais desta mistura de genes, resultado da evolução natural, só agora começa a ser compreendida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)