Rádio Observador

Ensino especial

Portaria das Finanças e Educação concede verbas para escolas do ensino especial

Uma portaria conjunta dos Ministérios das Finanças e da Educação aprovou na terça-feira o pagamento de 4,87 milhões de euros para 14 escolas particulares do ensino especial para o corrente ano letivo.

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Ainda em 2014, os 14 estabelecimentos particulares irão receber 1,53 milhões de euros e até ao final do ano letivo no próximo ano mais 3,33 milhões de euros, refere a portaria conjunta no escalonamento das verbas a pagar.

A publicação da portaria em Diário da República surge poucos dias depois do Ministério da Educação ter dito que estaria para breve o desbloqueio das verbas para os colégios de ensino especial que reclamam uma dívida superior a 600.000 euros.

Os colégios privados de ensino especial reclamaram hoje do Estado o pagamento imediato da dívida, alegando que se encontram numa situação financeira aflitiva e já com salários em atraso.

Através da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo (AEEP), estes colégios afirmam ter a receber do Estado pagamentos referentes ao serviço educativo prestado aos alunos no ano letivo transato (2013-2014), estando também em dívida todas as prestações desde 01 de setembro último.

“A dívida estimada do Ministério da Educação aos colégios ultrapassa os 600.000 euros e abrange mais de 700 alunos”, afirmou a AEEP em comunicado.

Os alunos em causa, segundo a associação, são crianças e jovens com “necessidades educativas especiais particularmente severas”, que foram “confiados aos colégios pelas famílias, pelo Ministério da Educação e pelos tribunais de família e menores”, sublinha a associação.

Os colégios dizem estar numa situação insustentável e alegam que, a não ser saldada imediatamente a dívida do Estado, correm o risco de não poder continuar a assegurar a resposta educativa, “a única disponível para estes alunos”.

“Mais se repudia o facto de o Estado português, que não paga aos colégios, os obrigar a remunerar todos os meses encargos sociais dos trabalhadores”, havendo já “muitos casos” de salários em atrasos por insuficiência de verbas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Os milagres da Educação /premium

Fernando Egidio Reis

Ouve-se que os professores são tradicionais, do século XIX. É o mesmo que dizer que temos feito tudo mal. Que outra profissão especializada admitiria este tipo de abordagem e de desconsideração?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)