Um padre brasileiro foi oficialmente excomungado este sábado por ter apoiado a homossexualidade, num processo que se arrastava desde abril do ano passado. Roberto Francisco Daniel viu a decisão oficializada após ser publicada no site da Diocese de Bauru, no Estado de São Paulo, Brasil. “A excomunhão é a mais grave pena na qual um fiel cristão católico pode incorrer”, escrevia o juiz instrutor para as “matérias reservadas à Sé Apostólica”, Tiago Wenceslau.

A Folha de S. Paulo refere que o processo começou depois das entrevistas dados pelo padre apoiando a homossexualidade e questionando as doutrinas da igreja, mas a declaração de 2013, emitida pelo juiz instrutor, nota que “não corresponde à verdade a notícia veiculada em alguns meios de comunicação de que o reverendo Padre Roberto Francisco Daniel foi excomungado por defender os homossexuais”, acrescentando que essa declaração “não é matéria de excomunhão na Igreja.”

A pena de excomunhão vai durar enquanto o padre mantiver o comportamento que levou a esta decisão, tendo sido, neste caso, “declarada porque ele se negou categoricamente a cumprir o que prometera em sua ordenação sacerdotal: fidelidade ao Magistério da Igreja e obediência aos seus legítimos pastores”, lê-se no comunicado da diocese.

“Ninguém é obrigado a professar a fé católica, mas quem está na Igreja Católica tem o dever de ser fiel à fé da Igreja Católica. Os fiéis são chamados a defender, consolidar e fortalecer a Unidade da Igreja, que é uma das quatro notas características da Esposa de Cristo (Unidade, Santidade, Catolicidade, Apostolicidade)”, lembra o juiz instrutor.

https://www.youtube.com/watch?v=ZA6B4pwHY8s

A entrevista polémica

Mesmo antes da excomunhão, que implica a proibição de realização de qualquer cerimónia religiosa, o padre já tinha pedido o afastamento da igreja, mas negou-se a retirar da internet as declarações em que defende que possa haver amor entre duas pessoas do mesmo sexo. Para Roberto Francisco Daniel, o importante é que as pessoas se decidam e que não haja infidelidade. E fidelidade significa, para o padre, transparência. Portanto um casal pode aceitar que o companheiro tenha mais do que um parceiro desde que seja falado entre si. No vídeo, o padre acusa a igreja de ser uma “monarquia teocrática” (relativo ao clero), embora admita que há mais abertura.

Os mais católicos mais conservadores defendem a decisão da excomunhão, mas este padre de comportamento irreverente também tinha muitos fiéis, porque defendia o progresso e abertura da igreja.