Rádio Observador

Ilustração

Estas palavras perderam-se na tradução. Ella Sanders recuperou-as

205

Ella Frances Sanders ilustrou um livro com 50 palavras intraduzíveis, como 'kilig', 'foresltek' ou 'wabi-sabi'. Haverá outra palavra para dizer 'saudade' que não seja 'saudade'?

O termo português é um dos que integra a listagem da ilustradora

Imagem retirada do Twitter

Lost in Translation, não o filme com que Sophia Coppola apaixonou os fãs de Scarlett Johansson em 2004, mas o livro que Ella Frances Sanders ilustrou para dar cor às palavras que, tão únicas na língua mãe, dificilmente se traduzem em inglês. “Kilig”por exemplo, é o termo da língua tagalo, nas Filipinas, para designar as borboletas que os apaixonados sentem no estômago.

Em Lost in Translation: An Illustrated Compendium of Untranslatable Words from Around the World, há 50 desenhos de palavras intraduzíveis. Sabe que existe um termo norueguês que descreve a euforia de quem está a apaixonar-se? É “foresltek”. E “palegg”, também da Noruegaé tudo aquilo com que se pode barrar uma fatia de pão.

Lembra-se de comprar um livro e arrumá-lo ainda com a leitura a meio? Os japoneses têm uma palavra para isso: “tsundoku“.  E têm outra para quando encontram beleza na imperfeição e aceitam o ciclo da vida:  “wabi-sabi“.

Aqui vai uma pequena história: no ano passado, escrevi um ‘post’ no meu blog para a ‘startup’ Maptia e os internautas tiveram uma reação inesperadamente selvagem sobre o assunto. Antes de ter tempo de fazer um chá, um editor do outro lado do Atlântico contactou-me e disse ‘Vamos fazer um livro’. E eu respondi ‘Ok, claro, isso parece-me maravilhoso”. E agora estamos aqui. Eu, você e um livro”, escreve a autora no site oficial do livro.

“Gurfa” é o termo alemão que designa a quantidade exata de água que cabe na palma de uma mão. E “fika” é o termo sueco que descreve quando as pessoas se reúnem para falarem e descansarem das rotinas do dia a dia, regra geral acompanhadas de um café.

O livro de Ella Frances Sanders foi publicado ainda a artista não tinha feito 21 anos, segundo a Brain Pickings. Escritora, ilustradora, vive “intencionalmente em todo o lado, mais recentemente em Marrocos, no Reino Unido e na Suíça”, escreve Ella no site do livro. Pretexto certo para lembrar a escritora Virginia Woolf, quando disse que “as palavras pertencem umas às outras”  – Words belong to each other.

 

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)