Mário Soares assumiu a defesa mais acérrima de José Sócrates até ao momento, depois de uma visita de mais de uma hora à prisão de Évora. “Todo o PS está contra esta bandalheira”, disse o fundador do PS, acrescentando que a operação Marquês “não é outra coisa que não seja um caso político” e que “todo a gente acredita na inocência do ex-primeiro-ministro” – “menos o senhor”, referência ao jornalista que lhe dirigia uma pergunta.

“Isto é uma malandragem daqueles tipos que atuam mas que que não fizeram nada”, disse o ex-Presidente, referindo-se indiretamente à investigação. “Isto não tem nada a ver com os socialistas, tem a ver com os malandros que estão a combater um homem que foi um primeiro-ministro exemplar”. “Isto é tudo uma infâmia”, acrescentou também. “Afinal o que é que ele fez?” – questionou ainda.

Soares diz ter-se emocionado quando viu José Sócrates – e admitiu que também Sócrates “se emocionou” com a visita. Garantindo que o ex-primeiro-ministro “está numa situação ótima, com uma moral fantástica e com a dignidade de sempre”, o socialista foi literalmente bloqueado pelas perguntas dos jornalistas – e quis responder a todas sem deixar um milímetro de dúvidas sobre a sua convicção total da inocência do antigo chefe de Governo. “É um homem digno e nem sequer foi julgado”, disse, culpando os jornalistas pelo que tem acontecido.

O histórico socialista visitou o ex-primeiro-ministro por volta das 10 horas da manhã desta quarta-feira, na cadeia especial de Évora – num dia em que não há espaço para visitas naquele estabelecimento prisional. Mário Soares, porém, justificou a sua visita dizendo que “amanhã” (quinta-feira) vai lançar um livro, pelo que não podia deslocar-se àquela cidade, tendo por isso pedido autorização especial ao diretor da cadeia “que é uma pessoa excelente”.

Soares chegou um pouco antes das 10h30 e saiu da prisão depois das 11h30.

Na terça-feira, o ex-primeiro-ministro tinha recebido a visita da ex-mulher Sofia Fava e de Capoulas Santos, outro histórico socialista, presidente da Federação de Évora do PS. Sofia Fava revelou, à saída do estabelecimento prisional, que José Sócrates estava “muito bem”,  com “uma postura muito filosófica” e que lhe tinha pedido “uma lista de livros” na próxima visita.

“Vim visitá-lo, é o pai dos meus filhos, vocês também viriam visitar se fossem vocês”, afirmou, citada pela agência Lusa. Capoulas Santos disse estar “obviamente consternado” e que Sócrates era um “amigo”.

O ex-primeiro-ministro está em prisão preventiva desde a madrugada de segunda-feira na cadeia de alta segurança de Évora, criada para receber polícias e detidos com necessidades de proteção especial, inaugurada durante o primeiro Governo de Sócrates.