O Dia Mundial da Luta Contra a Sida assinala-se hoje com várias iniciativas, pelo país, para lembrar uma doença que, desde 1985, afetou mais de 47 mil pessoas em Portugal.

Para assinalar a efeméride, o Grupo de Mulheres com Intervenção na Sociedade da SER+, Associação Portuguesa Para a Prevenção e Desafio à Sida, promove a conferência “VIH e os Afetos”, com o objetivo de debater a problemática do VIH em Portugal.

A conferência, que irá decorrer na Sala do Senado, na Assembleia da República, terá como foco a “descriminação das pessoas que vivem com a doença, e conseguir resoluções nesta matéria”.

A Abraço vai realizar um conjunto de ações com o objetivo de “continuar a sensibilizar a população portuguesa para a problemática do VIH/sida”, uma vez que o último relatório do Instituto Nacional Dr. Ricardo Jorge (INSA) refere que se encontravam notificados, cumulativamente, 47.390 casos de infeção VIH, dos quais 19.075 em “estadio sida”.

Iluminar a Fonte Luminosa na Praça do Império, em Lisboa, com luzes vermelhas, é uma das ações que a associação vai realizar.

O dia também é marcado pela Abraço, com a realização da 22.ª Gala da Abraço, no Teatro São Luiz, em Lisboa, com ações de rua, que incluem rastreios ao VIH, na Praça dos Leões, no Porto, e um debate sobre o “investimento futuro na prevenção primária e secundária”, também no Porto.

A Universidade Católica vai acolher, entre hoje e quarta-feira, o Congresso Nacional de VIH, doenças infeciosas e microbiologia clínica, em que será discutido o futuro da terapêutica anti retrovírica, a simplificação dos tratamentos, a coinfecção VHC/VIH e o surto recente de ‘legionella’ em Portugal.

Segundo os dados do INSA, quase três casos por dia de infeção por VIH/sida foram diagnosticados no ano passado, em Portugal, num total de 1.093 situações, o que equivale a uma taxa de 10,5 novas infeções por 100.000 habitantes.

Quanto aos óbitos, foram notificados 226 mortes ocorridas no ano passado em pessoas com a infeção por VIH, 145 das quais no “estadio sida”.