Congresso do PS

Seguristas contra “esquerdização” do PS

170

"Um erro". Maioria absoluta não é alcançável só falando com a esquerda, alertam ex-dirigentes, que se mostram surpreendidos com posição de António Costa.

PEDRO NUNES/EPA

O PS saiu unido do congresso do último fim de semana mas não há unanimidade sobre a estratégia de António Costa. Entre a ala segurista, o discurso do novo líder virado para a esquerda, fechando a porta a qualquer entendimento com os partidos de direita, merece críticas abertas.

Por um lado, isso é visto com preocupação pelo facto de o partido precisar de uma maioria absoluta para governar e, à partida, essa maioria ser mais facilmente alcançada falando para o centro. Por outro, o convite ao Livre, o novo partido de Rui Tavares, para estar presente no congresso, foi visto como “uma promoção” a um pequeno partido que pode roubar votos ao PS.

Essa é a opinião de seguristas e ex-deputados como Ricardo Gonçalves ou Vítor Baptista, na linha do que o eurodeputado Francisco Assis já defendera, em entrevista ao Observador, antes do congresso:

Essa entrevista foi polémica, Assis acabou por não falar no congresso, por ter sido desrespeitada a ordem de inscrições, e uma das principais questões para o futuro do PS ficou fora da discussão coletiva: deve o partido admitir apenas entendimentos à esquerda ou deve admitir a possibilidade de acordos com a direita?

“É um erro Costa não preparar o partido para eventuais acordos à direita”, afirma ao Observador o ex-deputado Ricardo Gonçalves e um dos conselheiros de Seguro. Assis chamou-lhe “um absurdo”, em declarações ao DN. “O PS não pode esquerdizar-se. Temos que ir buscar os descontentes do centro direita”, afirma, acrescentando: “Nunca pensei que Costa fosse montar esta estratégia”.

“Esta esquerdização contraria aquilo que tem sido o PS ao longo da sua vida, que foi sempre um partido moderado. É uma surpresa”, declara Vítor Baptista, preocupado com a “governabilidade” do país. “É um péssimo começo”, diz, acrescentando nessa avaliação “as exclusões e saneamentos” de alguns seguristas. Tanto Baptista, como Ricardo Gonçalves ficaram sem assento nos órgãos nacionais do partido.

No que diz respeito à estratégia de Costa, Álvaro Beleza, um dos principais rostos do segurismo, desdramatiza. Lembra que foi por iniciativa sua que Seguro foi reunir com o BE à sede deste partido e considera que Costa quer repetir no país aquilo que, com êxito, conseguiu fazer em Lisboa: aglutinar várias esquerdas para crescer. Foi assim que conseguiu ter maioria absoluta depois de acordos com José Sá Fernandes ou Helena Roseta.

Outra característica de Costa é o “pragmatismo”. Pode estar agora a seduzir o eleitorado de esquerda para mais próximo das eleições apelar ao centro, acredita Beleza.

De qualquer forma, este dirigente (foi eleito para a Comissão Política) concorda “em parte” com o que Assis defende, pois em matéria de dívida, finanças públicas e reforma do Estado “o PS tem que estar aberto ao centro”.

A história, contudo, mostra que existe um fator a ter em conta na equação. Todas as vezes que o PS cresceu (obtendo maioria absoluta ou chegando lá perto, como aconteceu com António Guterres), cresceram também os partidos à sua esquerda, mostrando, assim, que os votos determinantes para os socialistas vieram do centro.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maioria de Esquerda

Geringonças e blocos centrais /premium

João Marques de Almeida
102

Depois da sua posição, se quiser ser coerente (não é evidente que queira), Rio terá que defender um referendo à eutanásia. Os temas de consciência individual não podem ser decididos só pelos deputados

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Eleições Europeias

Marca d’água /premium

Helena Matos

Votei antecipadamente. Reflecti em plena campanha eleitoral. E agora? Conto carneiros até que fechem as últimas urnas de voto nos Açores não vá eu com os meus textos perturbar os eleitores?

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)