A venda da PT Portugal aos franceses da Altice terá sempre de passar numa assembleia geral da PT SGPS. Mesmo que a oferta pública de aquisição (OPA) lançada por Isabel dos Santos não chegue ao mercado.

Fonte oficial da PT SGPS esclareceu ao Observador que, por uma questão de “transparência”, a empresa irá sempre consultar os acionistas antes de fechar uma decisão, tal como fez quando foi revisto o acordo de fusão com a brasileira Oi, na sequência da perda do investimento na Rioforte, que recebeu “luz verde” na assembleia de 8 de setembro.

A mesma fonte assegura que não era possível em função dos acordos acionistas evitar a reunião de quinta-feira (onde o conselho de administração da Oi aprovou a oferta da Altice), uma vez que por causa da OPA, a PT SGPS não poderia opor-se à continuação do processo. Ainda assim, acrescenta conseguiu-se, num processo em que participou também o Novo Banco, que a proposta escolhida teria uma condição suspensiva dependente da aprovação final em assembleia geral. 

A principal incógnita neste momento reside no calendário de convocação desta assembleia. Caso a administração da PT SGPS esteja sob “gestão corrente” por via da oferta da empresária angolana, o processo de decisão terá de ser acelerado, e a assembleia convocada em 15 dias, o que ainda poderá acontecer este ano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mas se as condições da OPA de Isabel dos Santos não passarem na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e o regulador exigir, por exemplo, uma subida do preço, cenário já praticamente afastado pela empresa oferente, a Terra Peregrin, então o prazo para convocar os acionistas dilata-se para um mês, adiando a decisão sobre a venda da PT Portugal para 2015.

Representantes da PT SGPS no conselho da Oi não votaram oferta da Altice

O conselho de administração da Oi já deu “luz verde” à proposta de compra da PT Portugal por 7.400 milhões de euros, feita pelos franceses da Altice, numa reunião em que os representantes da PT SGPS, que é uma das principais acionistas, não participaram Mas os brasileiros ainda têm de apresentar o negócio e a sua justificação económico ao conselho de administração da PT SGPS, o que já só pode acontecer para a semana.

A Oi tem pressa em fechar o negócio, tendo dado aprovação à venda apenas uma semana depois de ter anunciado negociações exclusivas com a Altice, não obstante ter sido fixado um prazo de 90 dias para o processo negocial.

Administração da PT reunida para analisar OPA 

Hoje, o conselho de administração da PT SGPS está reunido, mas para discutir o parecer a dar à oferta pública de aquisição (OPA) de Isabel dos Santos em que é proposto o preço de 1,35 euros por ação. A recomendação da gestão liderada por João Mello Franco deverá ser anunciada ao mercado só na próxima terça-feira.