437kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

O Alentejo encanta o mundo. E recebe prémios atrás de prémios

Este artigo tem mais de 5 anos

Em doze meses o Alentejo foi eleito a "melhor região vinícola do mundo", bem como um dos 21 "melhores destinos para se visitar", e viu o cante alentejano ser considerado património da humanidade.

i

Luis Davilla

Luis Davilla

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O “celeiro de Portugal”, situado mesmo “abaixo do coração do país”  e que seduz pelo “ritmo lento” que lhe está associado. Era assim que no início do ano a National Geographic Traveler descrevia o Alentejo, considerado pela revista um dos 21 melhores destinos a visitar em 2014 ao lado de sugestões como Cabo Verde, Nova Orleães ou Puglia, na Itália. A distinção parece ter determinado o (bom) Karma para os restantes meses, com a região a somar prémios atrás de prémios e os valores no setor do turismo a constatarem uma evidência, o Alentejo está melhor e recomenda-se — segundo o Instituto Nacional de Estatística, o número de dormidas de não residentes registadas até setembro, 24,9%, superou o total verificado em todo o ano de 2013.

Com os elogios longe de cessar, em maio era a vez do britânico Guardian falar do destino — que produz metade do vinho no país e é líder mundial na produção de cortiça — como a “nova Toscana” ou a “Toscana mais acessível”. O artigo redigido por Adrian Mourby dava conta da riqueza gastronómica e vinícola e “oferecia” ideias onde comer, beber e dormir — nem de propósito, o wine resort L’And Vineyards, em Montemor-o-Novo, foi uma das referências na primeira categoria, cujo restaurante ao comando do chef Miguel Laffan e apostado na reinterpretação da cozinha portuguesa manteve a estrela Michelin em 2014.

No currículo de uma região que ocupa 33% do território nacional há também espaço para uma menção global, a de “melhor região vitivinícola do mundo a visitar”. O título resultou de uma votação promovida pelo USA Today, o maior diário norte-americano, e pelo portal para viajantes 10Best. A região portuguesa ficou à frente de nomes importantes no universo vínico — como Champanhe, em França, e a espanhola La Rioja –, num total de 20 candidatos pré-selecionados pelos peritos Frank Pulice e Kerry Woolard. Talvez por isso a próxima cidade europeia do vinho se encontre em pleno Alentejo. Reguengos de Monsaraz foi escolhida pela Rede Europeia das Cidades do Vinho (RECEVIN) e bateu em concurso a Bairrada, Monção e Melgaço.

(A linha de tempo em baixo é interativa e vai guiá-lo pelas principais notícias sobre o Alentejo ao longo do ano. Basta clicar do lado direito ou na linha de tempo na parte inferior)

A imprensa internacional, ao que parece, tem estado de acordo no que à qualidade do vinho e sabores alentejanos diz respeito. Isto porque também Évora teve direito a subir ao pódio. Em setembro, foi nomeada pelo Daily Meal uma das nove melhores cidades do mundo pela oferta que faz chegar ao prato e ao copo. “Quando pensamos em Portugal, pensamos em Lisboa, mas Évora merece definitivamente a nossa atenção”, escreveu, então, o jornalista Aly Walansky. Isto porque na cidade medieval de “pratos originais”, é possível encontrar “pequenos restaurantes que servem muitos petiscos”, vinho de primeira categoria e sobremesas “clássicas inventadas nos conventos de Évora no século XVI”.

Mas nem só de tradição se vive no Alentejo. Foi nestas terras que nasceu a primeira cerveja biológica da Península Ibérica. A Sant’iago — uma combinação de água, malte, lúpulo e levedura servida em garrafas de meio litro — veio ao mundo há coisa de dois meses, proveniente da única destilaria/cervejaria biológica do mundo, Oficina de Espíritos. A produção artesanal goza de “métodos ancestrais” e, claro, de produtos biológicos.

“Não querendo fazer frente a nenhuma cerveja artesanal, porque não as conheço a todas, penso que as pessoas que começaram a fazer cerveja artesanal quiseram começar a inventar. E nós tentámos fazer uma cerveja que soubesse a cerveja. É uma cerveja feita de cevada, como algumas cervejas industriais, só que é feita com métodos ancestrais”, disse João Monteiro, relações públicas da empresa, ao Observador.

Os feitos alentejanos ganharam novamente proporções globais com o cante a ser considerado Património Cultural Imaterial da Humanidade, pela UNESCO. A decisão veio diretamente de Paris no final de novembro, três anos depois de o Fado ter semelhante distinção. À data, o presidente da Câmara Municipal de Serpa, Tomé Pires, disse ao Observador que a chancela da UNESCO ao cante alentejano podia abrir muitas portas. Ao objetivo de salvaguardar e transmitir o cante, é preciso também “começar a pensar em tornar este ativo cultural numa ativo económico, para ajudar a sustentabilidade do cante e o desenvolvimento da nossa região”.

E para a acabar o ano em beleza, o espanhol El País publicou na passada sexta-feira, 12 de dezembro, um artigo no qual apelidou a região em causa de “finura rural”, dando destaque a Moura, Estremoz, Elvas e Monsaraz, isto é, “vilas portuguesas que dialogam com o campo e que souberam preservar uma naturalidade elegante”.

A julgar pelo sucesso além-fronteiras, a região de uma paisagem diversa, com sobrados, oliveiras e praias à mistura, promete continuar na mó de cima e a tempo de uma resolução de fim de ano. Do que está à espera?

Loja Observador Lifestyle

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.