Animais

Lei sobre animais no circo, para alguns 5 anos de “uma palhaçada”

1.388

Os circos estão insatisfeitos com a lei que restringe a presença de animais, que alguns vêem como "uma palhaçada". A lei obrigou a que tivessem de ser castradas algumas das "estrelas" do espetáculo.

Miguel Chen com os seus tigres

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

De acordo com uma portaria publicada em outubro de 2009, a exibição de animais nos circos tornou-se cada vez mais complicada, visto que a lei proibiu a aquisição de novos animais, como elefantes, leões, macacos ou tigres, entre outros, e a reprodução dos que já existissem nos circos. Por esta lógica apenas vai haver determinados animais nos circos enquanto os atuais forem vivos.

Cinco anos depois a Lusa foi perguntar aos dois principais circos que, pelo Natal, “desceram à cidade” como se estão a adaptar aos novos tempos. Apenas um deles, Miguel Chen, do circo com o mesmo nome, aceitou falar sobre o assunto. “Já mandei castrar todos os meus animais”, disse.

Mas disse mais. Lembrou que a presença de animais nos circos remonta a 1770, que “o animal faz parte do circo”, e que as pessoas gostam de os ver. E a lei, disse, resultou de “lóbis montados” conta os quais, os circos, os “elos mais fracos”, nada podem. “Não vale a pena fazer guerras com pistolas de água contra quem tem metralhadoras”.

Miguel Chen confessa-se cansado. “De início eram os maus tratos aos animais. Depois de 34 anos que tenho animais nunca ninguém provou nada. Agora já não têm esse argumento. Animais maltratados é mentira. Aprovaram a lei porque os circos são os elos fracos nestas situações, os poderosos juntam-se aos poderosos”, diz à Lusa.

E depois ironiza: “nós gostávamos também de nos juntar aos poderosos. A questão das touradas? Nós somos pró touradas, temos de ser tratados é como são tratadas as touradas. Vivam as touradas, eu gosto de touros”.

É que, explica o responsável, dromedários a ruminar ao lado, a lei foi feita à medida dos circos, para proteger os animais, mas mantiveram-se as touradas, os espetáculos com golfinhos e outros. “Será que os golfinhos não são animais? Ou será que são só animais os do circo?”.

Diz Miguel Chen que “pode contar 40 histórias” e que o final é sempre o mesmo: quem tem dinheiro “vai para a frente, quem não tem fica para trás”. E dá o exemplo recente da Madeira, que proibiu agora no Natal os circos com animais. “Na Madeira, se tiver um número com um gato já não posso entrar”.

É que além da questão dos animais, conta, outro grande problema, maior ainda, é “poder trabalhar em certas autarquias”, que “não facilitam a vida”, que não autorizam o circo e por vezes depois de terem recebido os 225 euros que cobram pelo pedido.

É por isso que está cansado de lutar. Já teve quase meia centena de animais, um rinoceronte e até um bisonte, e tem hoje sete tigres, alguns dromedários e cavalos. Ao todo preenchem sete minutos das duas horas que dura o espetáculo.

E “é pena porque muita gente gosta de animais na pista”, e é pena porque “90 por cento das pessoas pergunta se há animais, e se pergunta é porque gosta”. E acrescenta o empresário: “deixem que as pessoas decidam de sua vontade”.

Miguel Chen não foi tão longe quanto a tradição mas é histórica a embaixada que D. Manuel I enviou ao papa Leão X, em 1514, que continha um cavalo árabe e um elefante. Dizem as crónicas que D. Manuel gostava de passear em Lisboa com elefantes, um rinoceronte, e outros exotismos trazidos pelos navegadores.

Hoje, com os exotismos a ficarem velhos, sem poder substitui-los, o circo continua a encher-se mas, diz Chen, “o negócio está difícil para todos, porque a crise é para todos e o espetáculo recebe os últimos tostões”.

“O circo dá para viver, para enriquecer não dá”. Miguel Chen encolhe os ombros. Fatalista e ao mesmo tempo feliz: “mas também não sabemos fazer outra coisa, não há outra opção, a gente do circo nasceu no circo e quase toda vai morrer no circo”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ciência

Dez mandamentos contra a moda anti-vacinas

Vasco M. Barreto
363

A aceitação da ciência pelo grande público pressupõe a aceitação da autoridade dos especialistas, pois o cidadão comum não tem tempo, meios ou competência para ser ele a triar a literatura científica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)