Rádio Observador

António Costa

Costa quer “aumento significativo” do salário mínimo

1.121

António Costa não arrisca dizer de quanto deve ser o aumento, já que essa decisão tem de passar pela concertação social, mas lembra que a meta está atrasada e põe a baliza nos 522 euros.

António Costa

Autores
  • Fábio Monteiro

Não especifica o valor, mas António Costa diz que quer um “aumento significativo” do salário mínimo nacional. Numa entrevista ao Correio da Manhã, o líder do PS defende que o país precisa de um “choque de rendimento” e, consequentemente, de um aumento do salário mínimo. Só assim, diz, se conseguirá estabilizar a economia e caminhar para o crescimento.

“O aumento do salário mínimo nacional é absolutamente essencial para devolver confiança às pessoas”, afirma Costa, para quem o atual Governo “andou até à última hora a procurar impedir” a atualização do salário mínimo para chegar a um aumento de 20 euros (de 485 para 505 euros), num acordo que entrou em vigor em outubro passado.

Não arrisca dizer de quanto deve ser o aumento, já que essa decisão tem de passar pela concertação social, mas lembra que a meta está atrasada e põe a baliza nos 522 euros. Costa lembra que o governo anterior já tinha planeado aumentar para 500 euros em 2011, medida que foi interrompida devido à crise, “pelo que este ano já devíamos ter chegado aos 522”, diz.

Mas o aumento do salário mínimo nacional não é a única prioridade para colocar a economia nacional a crescer, de acordo com a opinião de António Costa. “O relançamento da construção é absolutamente capital para o futuro do país”, afirmou.

Questionado se quando estiver no Governo irá aumentar os impostos, António Costa afirmou que só vai assumir “compromissos de matéria fiscal depois de estar concluído o estudo sobre o cenário macroeconómico” e depois de ter uma estratégia orçamental, algo que vem repetindo desde que foi eleito candidato a primeiro-ministro. “Neste momento, em que estamos muito longe das eleições legislativas, não vou prometer o que depois possa não cumprir”, explicou. No seguimento do mesmo tema, classificou a sobretaxa do IRS como “fortemente regressiva”, mas deixou o compromisso desta vir a ser eliminada para mais tarde.

Já sobre a privatização da TAP anunciada pelo Governo, o candidato a primeiro-ministro do PS não esteve com rodeios e classificou-a como um “erro”. “Se há necessidade de capitalização da TAP, há formas de o fazer sem passar pela privatização”, afirmou. E a venda da PT? “É um bom exemplo do desastre quando o Estado decide abdicar de manter instrumentos fundamentais de intervenção em setores estratégicos da economia”, reiterou.

Ainda na mesma entrevista, António Costa critica o papel do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, devido a ter alimentado “a ilusão do Governo de que isto era uma solução sem riscos para os contribuintes”, relativamente à estratégia de recapitalização do Banco Espírito Santo. “Acho que o governador não esteve à altura e isenção e independência que se exige”, disse.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)