Arte

Obras de Pedro Barateiro, Ernesto de Sousa e Christian Marckley vão ser expostas no Museu Berardo

A 11 de fevereiro está prevista a inauguração de uma mostra constituída por trabalhos inéditos ainda em fase de conclusão do artista Pedro Barateiro.

Pedro Barateiro, um dos artistas que terá obra exposta no Museu Berardo

Gerardo Santos / Global Imagens

Autor
  • Agência Lusa

Exposições com obras dos artistas Pedro Barateiro, Ernesto de Sousa e Christian Marckley, e do Prémio Novo Banco Photo vão ser apresentadas em 2015 no Museu Coleção Berardo, em Lisboa, anunciou nesta segunda-feira a entidade. De acordo com a programação para o primeiro semestre do próximo ano, a 11 de fevereiro está prevista a inauguração de uma mostra constituída por trabalhos inéditos ainda em fase de conclusão do artista Pedro Barateiro.

Segue-se, a 5 de março, a exposição de Christian Marckley, intitulada “The Clock”, e depois, a 18 de abril uma exposição de cartazes de Ernesto de Sousa. A 17 de junho será a vez da exposição do Prémio Novo Banco Photo (ex-Prémio BES Photo) regressar em 11.ª edição, com o mesmo valor, de 40 mil euros, e mantendo a parceria com o Museu Berardo, segundo a entidade.

Ainda segundo o Museu Berardo, parte da exposição do artista Pedro Barateiro será posteriormente na Red Cats de Los Angeles, um centro de arte multidisciplinar naquela cidade norte-americana. Nascido em 1979, em Almada, Pedro Barateiro, que vive e trabalha em Lisboa, tem um mestrado estrado em Artes Visuais da Malmö Art Academy, Suécia e estudou na Mamaus – Escola de Artes Visuais em Lisboa.

Entre outras, participou na XXIX Bienal de São Paulo (2008), no Brasil, na Bienal de Berlim (2008), na Alemanha, na Bienal de Sydney (2008), na Austrália, na Photo España (2008) e na Bienal de Busan (2006), na Coreia do Sul. Quanto à exposição “The Clock”, do artista suíço-americano Christian Markley, foi criada como uma experiência cinematográfica integrada num espaço museológico.

Com “The Clock”, criado em 2010, Christian Marclay viria a receber o Leão de Ouro na Bienal de Arte de Veneza de 2011. O visitante é surpreendido com um espaço parecido com uma sala de cinema, com uma projeção de fragmentos de filmes da história do cinema, com a particularidade de, em cada sequência apropriada, um relógio surge no ecrã.

Christian Marclay, nascido nos Estados Unidos, em 1955, passou a infância em Genebra, na Suíça, na École Superieur d’Arts Visuels, e depois no Massachussets College of Arts de Boston e na Cooper Union de Nova Iorque.

Depois de desenvolver performances musicais no final da década de 1970, passou a trabalhar com manipulações de discos em vinil, produzindo colagens de diferentes trechos musicais, e o seu trabalho centrou-se na relação entre som, cultura áudio e artes visuais. A partir de 18 de abril, o Museu Berardo vai apresentar uma exposição sobre a coleção de cartazes Ernesto de Sousa, com curadoria de Rui Afonso Santos.

Ernesto de Sousa (1921-1988) foi um artista pioneiro do experimentalismo intermedia em Portugal, mentor da “Alternativa Zero”, uma exposição realizada em 1977 que marcou a História da arte no país. Muitos dos artistas que nela participaram tornaram-se nomes consagrados, como foi o caso de Helena Almeida, Julião Sarmento, Ângelo de Sousa, Noronha da Costa e Fernando Calhau, entre outros.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro
617

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)