Rádio Observador

Cultura

Parques de Sintra avança com recuperação de picadeiro na Calçada da Ajuda

383

Picadeiro da Calçada da Ajuda e a Quinta da Amizade na Serra de Sintra serão recuperados em 2015 pelos Parques de Sintra - Monte Lua.

Os trabalhos de recuperação do Chalet e Jardim da Condessa d'Edla, realizados pelos Parques de Sintra, foi muito elogiado

A reabilitação do picadeiro Henrique Calado, na Ajuda (Lisboa), e a recuperação de Quinta da Amizade, na serra de Sintra, estão entre cinco projetos da Parques de Sintra-Monte da Lua (PSML) para 2015, foi anunciado esta terça-feira.

A sociedade que gere os parques e monumentos de Sintra viu aprovado o cofinanciamento de quatro projetos através do POR Lisboa (Programa Operacional Regional) e outro pelo Proder (Programa de Desenvolvimento Rural), num investimento total de cerca de 2.250 milhões de euros.

“Estes cinco projetos são apenas algumas das intervenções que vamos lançar em 2015”, explicou à agência Lusa o administrador-delegado da PSML, Manuel Baptista.

A comparticipação de 1.344.000 euros de fundos comunitários será aplicada “maioritariamente no primeiro semestre” de 2015, revelou a PSML.

O projeto no picadeiro Henrique Calado, na Calçada da Ajuda, destina-se a recuperar as fachadas e a cobertura do imóvel para acolher espetáculos e treinos da Escola Portuguesa de Arte Equestre (EPAE).

O espaço junto ao Museu dos Coches será também adaptado no interior, com a montagem de bancadas, com 300 lugares, cafetaria e instalações sanitárias, para que o público possa “assistir a apresentações diárias de treinos e de espetáculos de arte equestre”, adiantou Manuel Baptista.

O projeto representa um investimento de cerca de 1,1 milhões de euros, cofinanciado por 721.500 euros (65%) do POR e deve ficar concluído até março de 2015.

A recuperação da Quinta da Amizade inclui o restauro do palacete Villa Sassetti, projetado por Luigi Manini, e do jardim que sobe a serra, permitindo criar um percurso pedestre entre o centro histórico, o Castelo dos Mouros e o acesso ao parque e palácio da Pena.

A intervenção na quinta adquirida pela PSML ao município de Sintra está orçada em 617.000 euros, comparticipada em 401.000 (65%) do POR, e os trabalhos devem ficar prontos até ao final de junho.

Quinta-da-Amizade-Villa-Sassetti-lowres

Quinta da Amizade. ©PSML / Emigus

Um programa de concertos e conferências musicais, nos palácios nacionais da Pena, de Queluz e de Sintra decorrerá até ao verão, com o objetivo de captar visitantes e novos públicos, num investimento de 288.000 euros, cofinanciado pelo POR com 115.200 euros (40%).

A criação de um programa de visita conjunta “De Sintra a Mafra, A Natureza em Parques e na Grande Tapada” visa articular uma estratégia de visitação às áreas geridas pela PSML e pela Tapada Nacional de Mafra, “promovendo um programa conjunto para turistas individuais e grupos”.

O projeto incluirá a passagem por um centro de interpretação ambiental e material de divulgação da biodiversidade dos dois locais, com um investimento de 174.000 euros, apoiado em 69.600 euros (40%) do POR.

Uma intervenção em 24 hectares da Tapada do Saldanha, parte de uma área adquirida pela PSML na serra de Sintra, procurará combater espécies invasoras, como a acácia e o eucalipto, recuperando “áreas de floresta nativa”.

O projeto anual envolve um investimento de 46.000 euros, apoiado em 80% (36.800 euros) pelo Proder.

A PSML foi criada em 2000, para gerir os parques e monumentos da área classificada património mundial pela UNESCO, e é detida pelo Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, Direção Geral do Tesouro e Finanças, Turismo de Portugal e Câmara de Sintra.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)