Rádio Observador

Ano Novo

Champanhe? Cuidado com estes sete erros

1.156

Quando o relógio estiver a cruzar a meia noite e a passagem de ano for iminente, é costume arrancar a corrida à garrafa de champanhe. Aqui ficam sete erros a evitar na altura de beber vinho espumante.

LOIC VENANCE/AFP/Getty Images

Autor
  • Diogo Pombo

Festa da grossa. Está aí um novo ano, pronto a dobrar a esquina, e a dar uma desculpa para, festejando, entrar bem em 2015. O facto de o 1 de janeiro se mascarar de feriado também ajuda. Mesmo não querendo, a tradição ordena a que se descanse e, assim, dá mais uma desculpa para quem pretende passar a última noite do ano em farra e celebração. E os hábitos, mandões, impõem que um dos convidados da festa seja o champanhe.

Ele até costuma andar pela mão de todos. Assim que a meia noite começa a espreitar na esquina, o reboliço da passagem de ano arranca: reúnem-se copos, tiram-se as garrafas do frigorífico e juntam-se as pessoas. Depois é esperar que a hora oficialize a troca de ano, desejar saúde a quem está à volta e toca a beber o espumante. É tradição, sim. Mas também há regras por respeitar.

Ou devia haver. Pelo menos foi isso que o Huffington Post, com a ajuda de Elise Losfelt, enóloga da Moët & Chandon, escreveu quando deixou sete conselhos — e, ao mesmo tempo, sete erros que, por norma, se cometem — quando se opta por beber vinho espumante. E um deles até tem a ver com festa.

1. Os copos flauta

A picture taken on October 10, 2012 shows French wine owner and producer Caroline Cassot pouring white wine in a glass in Prayssac, in the French southwestern wine producing region of Cahors. Caroline Cassot will produce a Cahors white wine, although Cahors wines are usually red wines from grapes grown in or around the town of Cahors. AFP PHOTO / REMY GABALDA        (Photo credit should read REMY GABALDA/AFP/GettyImages)

A tradição também parece mandar que um champanhe se beba num copo flauta. Ou seja, num que seja estreito e, no topo, alargue um pouco. Mas Elise Losfelt explicou ao site norte-americano que isso é errado. “Os copos com esta forma até sufocam os aromas e sabores”, explica. O perfeito, garante, é um normal copo de vinho branco, que permite ao espumante respirar. Os outros só são bonitos para ver o soltar das pequenas bolhas de gás.

2. Só beber champanhe com iguais e “boa comida”

This picture shows the Lobster and Caviar burger featuring Canadian lobster and contains whole lobster pieces as well as a lobster salad made with a mustard mayonnaise as well as a sprinkle of caviar produced by Wendy's Japan as part of the campany's opening of their second restaurant in Roppongi, Tokyo on August 17, 2012. Wendy's Japan introduced two new burgers to their Japan Premium line of burgers which features fancy ingredients.      AFP PHOTO / KAZUHIRO NOGI        (Photo credit should read KAZUHIRO NOGI/AFP/GettyImages)

passagem de ano até o acompanha de passas. Em outras ocasiões, porém, é normal que o champanhe só apareça em jantares de gala, nos quais a comida se una ao requinte. Mas o melhor mesmo é lembrar-se do vinho espumante quando à mesa também terá comida salgada e gordurosa, como frango, batatas fritas ou qualquer coisa vinda de um churrasco. Pelos vistos, é quando sabe melhor. É por isso que em Portugal se costume beber espumante a acompanhar salmão, que vai especialmente bem com espumante tinto.

3. Encher demasiado o copo

A picture taken on December 31, 2012 in Paris shows a glass being filled up with champagne ahead of the New Year celebrations. AFP PHOTO MIGUEL MEDINA        (Photo credit should read MIGUEL MEDINA/AFP/Getty Images)

Aqui a culpa será do ímpeto. O aconselhável é preencher apenas um terço do copo com champanhe. Enche-lo significa que será mais fácil, e rápido, que a temperatura da bebida aumente. Ora o champanhe sabe melhor bem frio.

4. Abrir a garrafa de forma errada

CHESTER, ENGLAND - MAY 10: Opening of a bottle in the champagne bar at Chester racecourse on May 10, 2012 in Chester, England. (Photo by Alan Crowhurst/Getty Images)

O Huffington Post resume a arte da abertura em três pontos. E diz que, assim, não há maneira de errar: primeiro, coloque o polegar em cima da rolha, pressione; depois desenrole o arame que envolve a rolha e, por fim, com a outra mão, comece a desenroscar a garrafa da rolha, e não o contrário. Parece fácil, certo?

5. Guardar a garrafa tempo demais no frigorífico

An open refrigerator full of food.   (Photo by Fox Photos/Getty Images)

À falta de uma adega ou cave, o melhor é ter uma garrafa de champanhe no sítio escuro e fresco. O interior do frigorífico apenas serve caso a garrafa seja para ser aberta passados três, quatro dias, no máximo. “Se a guardar durante semanas [no frigorífico] será problemático”, explicou Elise Losfelt, pois lá “não há humidade” e, por isso, “a rolha acabará por secar”. Se isto acontece, o “selo entre a garrafa e a rolha soltar-se-á” e “o champanhe oxidará mais rápido”. E isto tudo é igual a perda de aromas.

6. Por onde se pega no copo

SOCHI, RUSSIA - MARCH 13: Russian President Vladimir Putin holds a glass of champagne during a lunch hosted by the office of the Russian President Vladimir Putin for the Presidents of the International Paralympic Committee member organisations during the 2014 Sochi Paralympic Games on March 13, 2014 in Sochi, Russia.  (Photo by Harry Engels/Getty Images)

Voltamos à temperatura. Agora não tanto por causa da quantidade de líquido, mas do sítio onde se coloca a mão que pega no copo. Aconselha a especialista que se pegue no pé do copo, ao invés da taça. Porque, desse modo, a mão vai transmitir o calor do corpo para o copo. O que, lá está, ajudará a aquecer o champanhe — que não é o objetivo.

7. Champanhe só para as ocasiões especiais

SOUTH SAN FRANCISCO, CA - DECEMBER 29:  Bottles of sparkling wine are seen on display at a Costco store December 29, 2008 in South San Francisco, California. As the economy continues to falter, sales of sparkling wine and champagne are down this year compared to a 4 percent surge from last year.  (Photo by Justin Sullivan/Getty Images)

Isto é coisa que não vem escrito no rótulo. Portanto, porquê guardar o espumante só para aniversários, passagens de ano ou celebrações? “Não pense demasiado sobre champanhe. Simplesmente, aprecie-o”, defende Losfelt. E até disse mais: “Se neste momento tiver uma garrafa no frigorífico, não espere por uma ocasião especial. Verá que, ao abrir essa garrafa, será a ocasião especial a ir ter consigo.” Por isso, toca a experimentar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ano Novo

2019 é quando, e se, um homem quiser /premium

Alberto Gonçalves
1.226

O importante é rompermos com as representações que o “sistema” nos atribui e assumirmos a essência do que realmente nos representa. E eu, ao invés do que o Estado presume, não me sinto contribuinte.

Psicologia

O outro lado das resoluções de ano novo /premium

Teresa Espassandim

Sejamos honestos: não há qualquer problema com as resoluções de ano novo e, mais ainda, pode até ser prenúncio da vontade em mudar algo nas nossas vidas, com envolvimento, compromisso, risco, esforço.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)