Elementos da Polícia Judiciária fizeram esta terça-feira buscas nas sedes da Portugal Telecom (PT), em Picoas, Lisboa, e da consultora PriceWaterhouseCoopers (PwC). Em causa, ao que o Observador apurou, está o investimento feito na Rioforte, a holding do Grupo Espírito Santo, onde a PT investiu 897 milhões de euros em papel comercial.

As buscas procuram a auditoria independente feita a este investimento pela PwC e que a gestão da PT SGPS já deveria ter entregue à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o que até ao final da tarde desta terça-feira ainda não tinha acontecido.

A Procuradoria-Geral da República emitiu, entretanto, um comunicado a confirmar que foram realizadas buscas “designadamente na PT SGPS, no âmbito de um inquérito ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal”.

“Neste inquérito estão em causa suspeitas de participação económica em negócio e burla qualificada, investigando-se aplicações financeiras realizadas pela empresa”, refere o Ministério Público em comunicado.

Mais tarde o Ministério Público confirmou à agência Lusa a informação avançada pela SIC: as buscas também decorreram nas instalações da PwC.

“Em resposta à agência Lusa, a PGR confirma a realização de buscas na PricewaterhouseCoopers [PwC], estando a empresa colaborar com as investigações nos termos da lei”, disse fonte da PGR.

O investimento de 897 milhões de euros em papel comercial do Grupo Espírito Santo, realizado pela PT no ano passado, não foi reembolsado na data de vencimento, em julho, o que levaria à revisão das condições da fusão entre a Portugal Telecom e a brasileira Oi.

Esta terça-feira, o ex-presidente da Rioforte, João Rodrigues Pena, esclareceu no parlamento que o investimento da PT na holding foi feito em fevereiro e renovado em abril do ano passado. Até à data, a operadora tinha investimentos na ESI (Espírito Santo Internacional), a empresa que esteve na origem do colapso do GES com a revelação da ocultação de contas.

CMVM pede auditoria desde setembro

Desde setembro de 2014 que a PT e a auditora foram notificadas pela Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) para entregarem a auditoria independente aos investimentos realizados pela operadora no Grupo Espírito Santo, confirmou o Observador.

A auditoria feita pela consultora PwC terá sido entregue à PT SGPS há várias semanas. A empresa comunicou ao regulador do mercado que iria fornecer o documento esta semana, tendo entretanto sido impedida de divulgar um comunicado com as conclusões antes do relatório final estar na posse da CMVM. Mas entretanto a empresa foi alvo de buscas esta terça-feira, que ao final da tarde ainda prosseguiam. 

Segundo o Expresso de sábado, dia 3 de janeiro, a auditoria contém acusações graves a ex-administradores da Portugal Telecom. A investigação da Price abarca todos os investimentos feitos pela operadora de telecomunicações nas empresas do Grupo Espírito Santo desde o ano de 2000 e terá informação que envolve Henrique Granadeiro e Zeinal Bava, ex-presidentes da PT, no conhecimento das operações.

A demora na entrega desta auditoria ao regulador do mercado será um dos motivos do inquérito aberto pelo Ministério Público e que levou às buscas feitas por inspetores da PJ, que conta com a colaboração da Autoridade Tributária e da CMVM. Segundo o Expresso de sábado, é a PT SGPS que está a atrasar a publicação do documento, até porque a versão final já foi apresentada numa reunião do conselho de administração (da PT SGPS) de 27 de novembro.

No dia 12 de janeiro será realizada uma assembleia-geral de acionistas em que será votada a venda da PT Portugal aos franceses da Altice, acordada entre a empresa francesa e o conselho de administração da Oi. A poucos dias desta assembleia-geral, o regulador do mercado já pediu por escrito e pessoalmente à PT SGPS, liderada por João Mello Franco, que lhe fosse entregue a versão final do documento.

Há pouco mais de um mês a PJ fez outra busca nas instalações da PwC. As buscas, tal como o Observador então noticiou, foram feitas no âmbito de um processo-crime relacionado com a gestão do BES.