“Olha que coisa mais linda
Mais cheia de graça
É ela menina
Que vem e que passa
Num doce balanço
A caminho do mar”

Os versos de Vinícius de Moraes e Tom Jobim de 1962 eternizaram a cidade do Rio de Janeiro e transformaram-se numa das canções que melhor descreve o movimento da cidade a partir da figura de uma mulher. Inspirado nestes versos, o fotógrafo e designer Marcello Cavalcanti decidiu mostrar de uma maneira original como as transformações da cidade ao longo do tempo não tiraram o seu espírito de “menina”. Recriou um série de fotografias registadas por Augusto Malta no início do século XX, sobrepondo os dois retratos numa mesma imagem.

O resultado é um quadro das mudanças que o Rio de Janeiro viveu ao longo dos últimos cem anos com um olhar poético e documental. Em entrevista ao site G1, Marcello Cavalcanti explica que a ideia nasceu a partir de sua paixão pela imagem fotográfica da cidade onde nasceu e cresceu. Marcelo conheceu o trabalho de Augusto Malta em feiras de antiguidades e, a partir das suas imagens, tentou reproduzir o mesmo ângulo e distância focal das fotografias originais.

“As fotos antigas têm poucas árvores. Por outro lado, fotos em ruas que pareciam supertranquilas, como a Rua Riachuelo, na Lapa, com poucas pessoas na calçada e o trilho do bonde no chão, foram difíceis de reproduzir porque o movimento de carros e ônibus hoje é caótico. As fotos no Centro ainda conservam muitos prédios da época, então fica mais fácil acertar o local”, afirma Marcelo. E como é ver a Garota de Ipanema antes e depois? “É como se a foto final fosse uma reprodução da passagem do tempo, que não vemos, apenas vivemos”, conclui.

O trabalho de Marcello Cavalcanti também pode ser visto na sua conta do Instagram e na página http://fotofragmentos.com.br/site/.