“O que é que está a vestir?” ou “O que fez para ficar em forma?” são, por norma, as perguntas colocadas às mulheres que desfilam na passadeira vermelha. O “fenómeno” acontece em eventos como os Globos de Ouro, Óscares e BAFTA. Gira em torno de marcas e reduz atrizes, modelos, cantoras e apresentadoras à aparência física. Mas não por muito mais tempo.

A rede social Twitter está a ser usada para dar voz a uma campanha que tem impresso na etiqueta #AskHerMore (“pergunta-lhe mais coisas”, em português) o tema principal, conta o Buzzfeed. A iniciativa não é nova: uma primeira versão da campanha, criada pelo The Representation Project, arrancou em fevereiro do ano passado na tentativa de mudar o tom de conversa que domina as cerimónias de entrega de prémios em Hollywood.

Com a 87º edição dos Óscares agendada para o dia 22 do próximo mês, o projeto volta a ganhar relevância. Prova disso são os tweets que começaram a circular e a chamar à atenção. No geral, há um pedido viral: em vez de perguntas relacionadas com moda, dietas e aparência, as pessoas que partilham a hashtag querem entrevistas que tenham em conta o talento e os feitos das diferentes artistas. Exemplos mais concretos estão representados nos seguintes tweets:

Mas não são só as pessoas que estão “chateadas”. Também as atrizes sentem o problema na pele e algumas já se insurgiram contra a situação. É o caso de Scarlett Johannson, lembra o Huffington Post, que se revoltou contra uma entrevista “sexista” em duas ocasiões enquanto promovia o novo filme da saga “Os Vingadores”. Primeiro, perguntaram-lhe como ficou em forma para o papel de Viúva Negra, o qual faz parte do enredo cinematográfico em questão. “Como é que tu ficas com as perguntas que realmente interessam?”,perguntou Johannson a Robert Downey Jr., outro membro do cast.

Um segundo momento, uma segunda questão — se Scarlett conseguia usar roupas por debaixo do fato da personagem que interpreta no filme. “Que tipo de entrevista é esta?”, protestou. Já nos SAG Awards de 2014 coube a Cate Blanchett mostrar o seu descontentamento. Durante uma entrevista, a câmara do E! News percorreu a atriz de baixo para cima para mostrar o vestido da estrela, ao que ela atira “Fazem isto aos homens?”.

Na origem do projeto está a questão de igualdade de género, um tema que ganho cada vez mais relevância em Hollywood. Primeiro com as atrizes mais velhas a reclamarem papéis importantes e depois com Charlize Theron a exigir o mesmo ordenado que o seu coprotagonista no filme “The Huntsman“, Chirs Hesmworth. Segundo a Page Six, que avançou a notícia no início do mês com base em fontes anónimas, Theron está a marcar uma posição ao receber mais de 10 milhões de dólares (mais de 8 milhões de euros), salário igual ao do ator australiano com quem contracena na longa-metragem.

Isto acontece na sequência do ataque informático a propósito do filme “Uma entrevista de loucos”, que trouxe a público documentos que provaram que tanto Jennifer Lawrence como Amy Adams foram pagas consideravelmente menos comparativamente com os atores Christian Bale, Bradley Cooper e Jeremy Renner na película “Golpada Americana”. Um e-mail datado de 2013 revelou que as atrizes receberam 7% dos lucros do filme, enquanto o trio de atores recebeu 9%.

A prova de fogo chega a 22 de fevereiro, com a entrega dos Óscares. Só aí serão visíveis os resultados da campanha que está a invadir o Twitter em busca de elevar o estatuto da mulher dentro da indústria cinematográfica.