Mikael Batista, lusodescendente de 23 anos, poderá ter morrido na sequência de uma operação militar organizada pela coligação internacional liderada pelos Estados Unidos. Ou poderá ser apenas uma estratégia para os três jihadistas dados como mortos – o português, um francês e um belga – circularem mais facilmente, disse uma fonte próxima dos serviços secretos franceses à Sábado.

Contactada pelo Observador, a secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas disse “não ter qualquer informação” sobre a morte deste lusodescendente. As tentativas de contacto efetuadas pela Sábado ao Ministério da Administração Interna, ao Ministério dos Negócios Estrangeiros e ao Sistema de Informações da República Portuguesa não acrescentaram informação. O secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, disse não ter informações diplomáticas sobre o caso porque ninguém tem representação diplomática na Síria.

A notícia foi anunciada em várias contas do Twitter relacionadas com o Estado Islâmico (EI), depois de raides aéreos da coligação internacional terem atingido Kobane, na Síria, junto à fronteira com a Turquia. E replicada por vários meios de comunicação. Em resposta a uma das publicações do Twitter, Raheeq Makhtoum, a mulher de Mikael Batista, escreveu: “Que Alá vos destrua, bando de porcos. Eles não morreram. Apenas se anteciparam a nós para desfrutar do Paraíso.”

https://twitter.com/Ariiije/status/558529450711994368

A síria, contactada pela mesma revista, revelou que o marido terá morrido na segunda-feira à noite. Estava em Kobane há “uma semana” a combater com outros 15 jihadistas originários de França, quando foi atingido pelo ataque da coligação internacional. “Eles foram para lá disponíveis a não voltar. Estavam decididos a morrer pela causa de Alá, com a intenção de matar e de serem mortos”, afirmou Raheeq Makhtoum, que deixou no Twitter uma mensagem para o marido.

https://twitter.com/Ariiije/status/558006513198186497

“O meu coração está partido, mas eu sei onde te reencontrar. Temos encontro marcado no Paraíso, meu amor. Estou ansiosa. Que Alá te aceite.”

Mikael Batista vivia em Paris, onde cresceu e frequentou a escola, quando decidiu juntar-se ao EI no verão de 2013. Em setembro, o jovem com dupla nacionalidade deu uma entrevista ao Expresso onde confessou que o que mais gostava de fazer era de “treinar e matar” na Síria – antes de se tornar jihadista nunca tinha pegado numa arma.

Na última publicação no Twitter, a 11 de janeiro, Mikael Batista, Omar al Fransi depois de se converter ao islão, citou uma passagem do Corão, que exorta à perseguição dos infiéis e ao perdão daqueles que mostrarem arrependimento.

“E quando os meses sagrados tiverem passado, matai os idólatras onde quer que os encontreis, e sitiai-os, e ponde-vos à espera deles em todo o lugar de emboscada. Mas se eles se arrependerem e observarem a oração e pagarem o Zakat, então deixai livre o seu caminho. Por certo, Allah é o Mais Generoso, Misericordioso”.

(fonte e tradução: Al Islam)

https://twitter.com/mikael_omar/status/554327716653441024

https://twitter.com/mikael_omar/status/554327885927157760

https://twitter.com/mikael_omar/status/554328112574783488

A notícia da morte de Mikael Batista, cuja família deixou Chaves para emigrar para França há alguns anos, ainda não foi confirmada por fontes oficiais. A confirmar-se, este poderá ser o terceiro lusodescendente a morrer na Síria e no Iraque.

Atualizado dia 23/01/2015, às 19:00