Rádio Observador

País

60% dos perfis na base de dados de ADN são de criminosos

Conselho de Fiscalização pede ao Governo que crie legislação para poder retirar perfis de condenados assim que a pena deixar de aparecer no registo criminal.

Base foi criada em 2010.

Getty Images

Nasceu em fevereiro de 2010 para identificação civil e para efeitos de investigação criminal, mas quatro anos depois, a maior parte dos perfis inseridos na Base de Dados de ADN refere-se a criminosos. São 60% as amostras de condenados com penas superiores a três anos de cadeia num universo de 4894 perfis. Há, ainda, 1803 amostras que não se sabe a quem pertencem e que estão a ser investigadas. Só 12 outras se referem a pessoas desaparecidas.

Os dados constam de um relatório do Conselho de Fiscalização da Base de Dados de Perfis de ADN (CFBDP ADN), a que o Observador teve acesso, analisado quarta-feira pela Comissão dos Assuntos Constitucionais. No parecer assinado pela deputada relatora, Isabel Oneto, e pelo presidente da Comissão, Fernando Negrão, dá-se ainda conta de um vazio legal essencial de preencher “para a construção dos equilíbrios necessários à fruição dos efeitos da ciência, dentro dos limites do eticamente aceitável”. É que a lei atual não permite retirar ou destruir perfis inseridos. Mesmo os dos condenados que vejam a sua condenação ser apagada do seu registo criminal.

O relatório analisado pela Comissão antecipa, ainda, “dificuldades” ao nível da cooperação internacional e a questões relativas à comunicação de dados por parte do Instituto de Medicinal Legal às autoridades portuguesas no âmbito de processos pendentes.

No documento, que será discutido em plenário, Isabel Oneto, admite a “complexidade do tema” e reconhece a “difícil margem de equilíbrio que se exige ao Estado de Direito como garante da concretização de interesses legítimos, mas nem sempre em campos sobrepostos”. No entanto, conclui, do relatório depreende-se que também a jurisprudência ainda não traçou um “rumo firme” e que há tribunais a decidirem de forma diferente. E dá exemplos: jurisprudência do Tribunal da Relação de Lisboa considera que a recolha de amostras a condenados só deve ser feita quando houver fortes indícios de reincidência, já em Évora os juízes entendem que a recolha deve ser automática mal a sentença transite em julgado. Há, ainda, tribunais a apontar para a inconstitucionalidade da norma.

O CFBD ADN, em resposta ao Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses, acabou mesmo por emitir um parecer, em maio do ano passado, considerando que o nome do condenado constasse na Base de Dados. Até aqui era necessário pedir aos quatro laboratórios de Medicina Legal informações sobre determinado suspeito, a pedido do tribunal, para confirmar se constava na base, porque o seu nome não aparecia na ficha de dados pessoais por segurança.

Nesse pedido de parecer, o próprio Instituto de Medicina Legal, responsável pela recolha das amostras, admitiu que tinha sido sua a decisão de não colocar o nome dos condenados por “cautela excessiva”.

 

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)