Vital Moreira, antigo eurodeputado do PS, considera que o acordo celebrado na noite de sexta-feira em Bruxelas entre os 19 ministros da Finanças fez prevalecer “os princípios e as regras da zona euro, bem como o respeito pelos compromissos tomados” sobre “a irresponsabilidade política e a má-fé negocial da esquerda radical”.

O ex-eurodeputado, eleito nas listas do PS e que já pertenceu ao PCP, escreveu no seu blogue Causa Nossa que “bastaram duas semanas para os próprios cidadãos gregos rebentarem o balão das grandes proclamações do Governo Syriza”. “Na iminência do colapso do sistema bancário, por causa dos maciços levantamentos de depósitos, o novo Governo grego teve de abandonar todos os seus objetivos antiausteritários”, escreveu.

Segundo Vital Moreira, o Governo grego não conseguiu evitar “nem corte na dívida, nem fim da austeridade orçamental, nem reversão das medidas tomadas, nem novo empréstimo à margem do programa de resgate em vigor”, conseguindo, no entanto, “salvar os bancos do colapso” e receber a fatia que faltava do empréstimo. As negociações de sexta-feira, segundo Moreira, mostraram mesmo que “prevaleceram os princípios e as regras da zona euro, bem como o respeito pelos compromissos tomados”.

Resta agora, segundo o constitucionalista, que a Grécia e o seu Governo cumpram e façam cumprir “de boa-fé o acordo” estabelecido com os restantes Estados-membros e com a troika.