Futuro

Transplantar uma cabeça humana pode ser possível daqui a poucos anos

130

Um cirurgião italiano afirma que daqui a dois anos será possível realizar um transplante de corpo inteiro. A comunidade científica levanta muitas questões técnicas, mas também éticas.

Getty Images

O cirurgião italiano Sergio Canavero disse à revista New Scientist que o transplante de corpo inteiro será possível num futuro próximo. Para esclarecer: trata-se de transplantar uma cabeça humana de um corpo para outro. Tecnicamente o desafio é gigantesco e muitos especialistas dizem que não é possível (para já) executar, mas as questões éticas tornam este tema particularmente sensível.

O cenário é o seguinte: de um lado, um doente com uma doença terminal, e do outro uma vítima de morte cerebral. Transplantar a cabeça de um corpo para outro pode ser a salvação do primeiro paciente. O objetivo do médico italiano é então o de prolongar a vida a doentes terminais, mas afirmou que só o fará “se a sociedade assim quiser”.

A ciência segue muitas vezes por caminhos polémicos, a manipulação laboratorial de embriões é disso exemplo. Ao longo de anos foi motivo de acessos debates científicos, éticos e legais. Mas um transplante desta dimensão abre uma discussão completamente nova: como será viver no corpo de outra pessoa? Já é possível ter uma pista da complexidade do assunto com os exemplos de transplantes de rosto (pele) em grandes traumatizados. A reabilitação psicológica é demorada e nem sempre isenta de traumas de identidade.

Os problemas deste desafio são de ordem ética e técnica. Por um lado, os procedimentos cirúrgicos de transplante de corpo vão ter de começar por ser experimentados em macacos e logo aí o assunto será barrado pela maioria dos legisladores, como nota o The Guardian. Por outro, são muitos os cientistas que afirmam que ainda não se sabe como ligar de forma eficaz as células da espinal medula e que “não existe evidência que essa ligação permita restabelecer a função motora”, como explica Richard Borgens, diretor do Centro de Paralisia da Universidade de Purdue (EUA).

É que, biologicamente, o nosso cérebro está “programado” para desencadear funções motoras específicas para o nosso corpo e apenas para ele e essa aprendizagem demora muitos anos (veja-se o tempo que uma criança necessita para desenvolver o movimento corporal na sua plenitude). Os cientistas dizem não haver garantias de que o cérebro consiga comandar o novo corpo, caso o transplante seja tecnicamente possível.

O debate está lançado e a história parece ter sido tirada de um livro de ficção científica. Mas não: uma equipa da Universidade de Harbin, na China, já começou a testar o procedimento em ratos. Dizem que estão a aperfeiçoar a técnica cirúrgica e que este “será um marco histórico na medicina, capaz de salvar milhões de pessoas”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futuro

A Tecnologia e o Orgulho da Civilização

Nuno Cerejeira Namora

Em 2017, a economia digital representou 4,6% do PIB português contra 13,8% no Reino Unido. A expectativa de que este valor venha a crescer ao longo da da próxima década é enorme.

Futuro

A sabedoria dos motoristas de autocarro

Patrícia Fernandes
202

Ao ouvir os motoristas de autocarro falar, nas longas viagens que ligam o Minho à Beira Interior, fica no ar a nostalgia de um futuro próximo e um aviso para o abismo geracional que estamos a viver.

Futuro

Mudança digital, recomposição das cadeias de valor

António Covas

Depois da mecânica, da eletricidade, da computação e internet, é chegada a vez da revolução digital e inteligência artificial. Os seus efeitos serão positivos, mas, também, contraditórios e paradoxais

Inovação

#PortugalMaisDigital!

Rogério Campos Henriques

É importante existir um movimento que incentive a utilização dos recursos digitais existentes na sociedade por todos os cidadãos, de forma consciente e informada. E este é o grande propósito do MUDA.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)