O Parlamento alemão aprovou hoje a extensão do programa da Grécia por quatro meses, e pela maior maioria numa votação sobre um programa de resgate no Bundestag. 542 deputados votaram a favor, 32 contra e houve apenas 13 abstenções.

No discurso em que pedia a extensão aos deputados, o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, tentou conter a oposição dentro da coligação, garantindo que não se trata de dar mais dinheiro à Grécia, nem de fazer qualquer alteração ao programa, mas apenas dar mais tempo “para este programa ser terminado com sucesso”. Schäuble diz que a Grécia “precisa de muito mais tempo” que os outros países. Mas a discussão aqueceu com afirmações polémicas de deputado da CDU.

Na discussão no Bundestag que antecedeu a votação dos deputados alemães à extensão do programa da Grécia por mais quatro meses, Schäuble tentou controlar o crescente ceticismo dos parlamentares em relação à Grécia com um discurso duro, mas ainda assim bastante europeísta.

“Isto não é sobre dar mais milhões de milhões para a Grécia, não é sobre fazer qualquer alteração ao programa. É oferecer mais tempo para terminar este programa com sucesso”, disse o responsável pela pasta das Finanças alemãs, acrescentando que “a discussão antes e depois da votação sobre a Grécia não torna a decisão mais fácil”.

Num tom mais europeísta, Schäuble defendeu que a Alemanha tem de fazer tudo o que puder para promover a solidariedade europeia, que a solidariedade implica que todos têm de contribuir e garantir que as nações da União podem contar com os seus parceiros. “Nós, na Europa, somos uma comunidade”, disse.

Wolfgang Schäuble disse ainda aos deputados que a Grécia “precisa muito mais tempo” que os outros países e deu a garantia que não será feito qualquer pagamento à Grécia sem a aprovação da Alemanha.

A coligação que sustenta o Governo alemão liderado por Angela Merkel tem uma ampla maioria no Parlamento alemão – 504 dos 631 deputados – e a aprovação da extensão não estará ameaçada à partida, mas alguns dos deputados da coligação devem votar contra a decisão. Num voto de teste realizado na quinta-feira entre os deputados do partido de Angela Merkel, 22 dos 311 deputados votaram contra a decisão.

O debate ainda aqueceu com um dos deputados do partido de Merkel a rejeitar a extensão de forma mais exaltada e a dizer que é preferível a saída da Grécia da zona euro: “Mais vale um final com horror, do que um horror sem fim”, disse Klaus-Peter Willsch.

O deputado da CDU foi ainda mais longe e atacou diretamente Tsipras e Varoufakis: “olhem para Tsipras, olhem para Varoufakis. Vocês compravam-lhe um carro usado?”, disse.