Festival Eurovisão da Canção

Músicos com síndrome de Down e autismo vão representar a Finlândia na Eurovisão

10.276

Formado em 2009, o grupo usa a música punk para contar as dificuldades que enfrenta no dia-a-dia. Este ano vão representar a Finlândia no Festival Eurovisão da Canção.

Os quatro músicos do grupo punk Pertti Kurikan Nimipäivät

facebook.com/pages/Pertti-Kurikan-Nimipäivät

No próximo festival da Eurovisão, a Finlândia será representada por uma banda punk Pertti Kurikan Nimipäivät cujos elementos sofrem de síndrome de Down e autismo. O grupo foi escolhido pelo público num programa televisivo finlandês e vai levar a Viena o tema “Aina mun pitää” (“Tenho sempre de”) que fala sobre de estarmos continuamente a fazer coisas. “Porque se uma pessoa não faz nada, cai no aborrecimento e na decadência”, disse Kari Aalto, um dos músicos, citado pelo jornal ABC.

Tudo começou em 2009 durante uma oficina cultural para pessoas com necessidades especiais. Pertti Kurikka, Kari Aalto, Sami Helle e Toni Välitalo, criaram uma banda com guitarrista, voz, baixo e bateria, respetivamente. Gostaram tanto da experiência que decidiram começar a fazer versões de outros grupos punk locais e a criar temas originais. O primeiro disco “Ei yhteiskunta yhtä miestä kaipaa” (que o ABC traduziu como “Ninguém é imprescindível na sociedade”) surgiu em 2010 com três versões e três originais.

Os temas dos músicos, cheios de energia nas atuações, incidem muitas vezes nas dificuldades que os próprios encontram no dia-a-dia. O punk é para os artistas a forma ideal de expressarem os sentimentos e a raiva, e “dizer as coisas como são”, diz Kari Aalto. “Fazer música é muito divertido. Se não existisse a música, o mundo seria um lugar totalmente estúpido.”

A Finlândia leva mais uma vez ao festival uma proposta de música alternativa. Lembre-se que em 2006, o grupo de hard rock Lordi venceu o festival com a música “Hard Rock Hallelujah” e que em 2014 a banda de rock alternativo Softengine conseguiu um décimo primeiro lugar.

“Hard Rock Hallelujah”, Lordi

“Something Better”, Softengine

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Crónica

A lobotomia nasceu aqui /premium

Alberto Gonçalves

Quando não estão a pagar impostos ou a ver a CMTV, as vítimas vão tirar “selfies” com os carrascos e prometem-lhes devoção e votos. Os portugueses apreciam ser humilhados ou não percebem o que são?

Mundial 2018

Vinte minutos à escrete /premium

Bruno Vieira Amaral

Neymar sentiu um braço e caiu mais teatralmente do que um aluno no exame do Conservatório. Por todo o mundo ouve-se o som de farsa de um corpo a tombar nas tábuas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)