Rádio Observador

Cinema

Festival de cinema Festróia 2015 cancelado por falta de verbas

Um dos mais antigos festivais portugueses de cinema, por onde já passaram nomes como Kirk Douglas, Christopher Lee e Lauren Bacall, não conseguiu verbas para a edição deste ano.

A falta de apoios privados e o corte de fundos europeus ditou a decisão

©D.R.

Autores
  • Sara Otto Coelho
  • Agência Lusa

Ao fim de 30 anos, o Festróia – Festival Internacional de Cinema de Setúbal cancelou a edição de 2015 por falta de verbas. A 31.ª edição não se irá realizar “devido à falta de apoios que permitam a sua realização”, anunciou Fernanda Silva, presidente da Associação Cultural Festróia, na página do festival.

“Não temos verbas suficientes para fazer um festival digno. Até aqui fomos conseguindo, mas agora não. Perdemos o apoio de fundos europeus, da Europa Criativa”, afirmou a diretora do festival à Agência Lusa.

O Festróia, um dos mais antigos festivais portugueses de cinema e o mais importante da região de Setúbal, deveria cumprir a 31ª. edição na primeira semana de junho, mas a direção decidiu-se pelo cancelamento, por só ter cerca de metade dos 200 mil euros necessários à concretização.

Segundo Fernanda Silva, estavam assegurados apoios financeiros por parte da autarquia de Setúbal e do Instituto do Cinema e Audiovisual, a par de apoios pontuais de outras entidades da região, mas “de apoio privados o festival teve zero“. “Setúbal é uma região pobre, passa por dificuldades e a cultura também começa a levar pancada nesta zona. Dei o meu melhor e estarei por aqui, mas infelizmente é assim”, lamentou.

Fernanda Silva disse que “os apoios europeus também sofreram cortes e estão cada vez mais dificultados. São apoiados menos festivais portugueses e o Festróia que recebia sempre o apoio máximo [75.000 euros], desta vez não teve apoio. Não se percebe”.

No ano passado, o Festróia celebrou a 30.ª edição e atribuiu o Golfinho de Ouro ao filme “As crianças do sacerdote”, de Vinko Bresan (Croácia/Sérvia), tendo ainda sido homenageado o produtor português Paulo Branco. O realizador Hans Petter Moland conquistou o Golfinho de Prata de melhor realizador, pelo filme “Em ordem de desaparecimento”, da Noruega.

Durante dez dias, o festival exibiu quase 200 filmes e dedicou parte da programação ao cinema alemão. Habitualmente, a programação contemplava ainda primeiras obras, cinema para os mais novos e uma secção dedicada ao “Homem e a natureza”.

O comunicado termina com um agradecimento ” todos os que acompanharam e apoiaram durante 30 anos este evento, que promoveu o Cinema Internacional e trouxe a Portugal filmes e estrelas inesquecíveis”.

O festival Festróia foi fundado pelo jornalista e escritor Mário Ventura, falecido em 2006. Desde a primeira edição, em 1985, por lá já passaram estrelas como Christopher Walken, Kirk Douglas, Pedro Almodóvar, Lauren Bacall, Debbie Harry, Dennis Hopper, Krzysztof Kieslowski, Christopher Lee, Bigas Luna, Jirí Menzel, Juan Antonio Bardem, Robert Mitchum, Jane Russel, Joaquim de Almeida, Alberto Sordi, Carlos Sorín e Michael York.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)