Rádio Observador

País

Internet não é uma “ameaça” às rádios locais mas um “complemento”

As rádios locais são um "elo" dos emigrantes à terra natal e devem encarar a internet não como uma "ameaça" mas um "complemento", afirmam investigadores.

"Desafio da rádio local continua a ser o de evitar a tentação de não falar para os seus", afirma Pedro Portela

Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

As rádios locais são um “elo” dos emigrantes à terra natal, mais importante em tempos de crescimento de emigração, e devem encarar a internet não como uma “ameaça” mas um “complemento”, defendeu a investigadora Ana Isabel Reis. A investigadora é uma das autoras do livro “Das piratas à Internet: 25 anos de rádios locais”, hoje apresentado na Universidade do Minho, assinado ainda por Fábio Ribeiro e Pedro Portela e definido como um “exercício de memória para projetar o futuro”.

Naquela publicação, os investigadores defendem a importância das rádios locais para a “pluralidade” de opiniões e para fazerem uma “adaptação local” dos acontecimentos nacionais e internacionais, tal como tiveram no passado as rádios piratas. Admitem, contudo, que “não há espaço” para “as piratas” nos dias de hoje.

“A vantagem para a rádio local em estar na internet é que mantém o elo de ligação sobretudo com as comunidades migrantes e agora que a emigração voltou a crescer. Nós emigramos e conseguimos ouvir a rádio na nossa região que antes não ouvíamos e agora ouvimos porque estamos longe e é o elo de ligação”, apontou Ana Isabel Reis. Por isso, defendeu, “a web não é uma ameaça, poderá ser um desafio, mas é sobretudo um complemento”.

Segundo Pedro Portela, o “desafio da rádio local continua a ser o de evitar a tentação de não falar para os seus, falar a comunidades, permitir que as comunidades intervenham na espera pública”. Para aquele investigador, as rádios locais assumem ainda um papel importante na descodificação de acontecimentos e na ligação destes às comunidades locais.

“Sabemos que nos media nacionais são sempre os mesmos cromos a rodar, de forma que a pluralidade que pode vir de uma rádio local tem todo o interesse. Perceberemos que os rostos e as vozes podem ser de outros, como também a perspetivas locais sobre fenómenos nacionais e internacionais”, sustentou. “As movimentações sociais, culturais, o que quer que seja, que acontecem por todo o mundo têm sempre que ter uma adaptação local e esse papel continua a ter que ser exercido pelos órgãos locais”, explanou Portela.

O referido livro reconhece o papel das rádios piratas na década de 80, antes da legislação que deu origem às rádios locais que viriam a substituir “as piratas”, mas os autores não acreditam que nos dias de hoje uma rádio pirata “tenha espaço” no panorama informativo e social, e que tenham sido substituídas pelas rádios web.

“Apesar de as rádios piratas serem, quase todas, estruturas amadoras, as rádios web, a maior arte delas é serem muito mais amadoras do que eram as rádios piratas. Há outros fenómenos na internet que, se calhar, têm mais semelhanças com o que eram as rádios piratas, até coisas tão simples como blogues, ou agregadores de opiniões não necessariamente por via sonora”, explicou Pedro Portela.

Já Isabel Reis apontou o contexto “único e irrepetível” das rádios piratas. “Houve um contexto económico, social e político de cidadania internacional, que foi único e não se voltará a repetir. Hoje em dia, não há espaço para [rádios] piratas”, concluiu.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
338

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)