O líder jihadista Murgan Salem al-Gohary declarou que “é da responsabilidade de todos os muçulmanos aplicar os preceitos do Islamismo, ordenando a destruição dos ídolos, à semelhança do que se fez no Afeganistão”, referindo-se às Pirâmides do Egito.

Segundo o site “Egypt Independent”, o jihadista, que alega ter ligações aos Talibãs, tem interesse em destruir a estátua da Esfinge, bem como a Grande Pirâmide de Gizé.

As afirmações aconteceram durante uma entrevista à Egypt’s Dream TV, um dia depois de o partido ultraconservador Salafist ter invocado a Lei de Sharia numa manifestação na Praça de Tahir. Segundo a Sharia, não existe separação entre a religião e o Direito.