O chefe do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), o fundo de resgates financeiros da zona euro, não gostou de ouvir as críticas do governo grego às posições assumidas pelos ministros de Portugal e Espanha na última reunião do Eurogrupo. Klaus Regling, que confessa sentir-se “por vezes irritado” com os pedidos para alívio da dívida por um país que paga menos em juros do que Portugal ou Espanha, defende que foi “inaceitável” a forma das críticas da Grécia aos seus parceiros, em alusão ao facto de Alexis Tsipras ter dito que na Península Ibérica há um “eixo de poder” para derrubar o governo que lidera.

Em entrevista ao diário alemão Handelsblatt, Regling reconhece que existe um “desacordo fundamental” entre o governo da Grécia e os outros governos da zona euro no que diz respeito à estratégia de política económica. Mas isso não justifica, diz Klaus Regling, o tom e o conteúdo das críticas de Alexis Tsipras a Portugal e Espanha. O primeiro-ministro grego disse que “o plano deles [de Portugal e Espanha] era e é desgastar, derrubar ou fazer o nosso governo render-se incondicionalmente antes que o nosso trabalho comece a dar frutos e antes que o exemplo grego afete outros países”, disse. “E principalmente antes das eleições em Espanha”, acrescentou.

Estas declarações de Tsipras levaram Passos Coelho a manifestar junto de Bruxelas a sua “perplexidade“, ao que Bruxelas respondeu que estava “a par do descontentamento” de Portugal, sem comentar o caso.

O presidente do MEE censura a atitude do governo grego sobretudo porque se trata de um país que, graças à moratória de 10 anos no pagamento de juros (à Europa) e os empréstimos com maturidade de 32 anos, tem um custo menor com a dívida (face ao respetivo produto interno bruto, ou PIB) do que Portugal, Espanha ou Itália. Daí que seja “um pouco irritante, por vezes” ouvir a Grécia falar em alívio nominal da dívida. “A Grécia tem de pagar os seus empréstimos, até ao último cêntimo“, avisa Klaus Regling, que sublinha que “a zona euro não é uma união de transferências”.

O responsável mostrou-se ainda “muito preocupado” com a mudança de rumo político em Atenas, receando, sobretudo, que se evapore o ganho de competitividade conquistado pela Grécia nos últimos anos. “O saldo primário positivo que tínhamos como garantido está a derreter-se. Temo, até, que volte a transformar-se num défice”, teme Klaus Regling.