Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Ydreams está a ser gerida por um administrador judicial depois de ter ter pedido um Plano Especial de Revitalização (PER) para negociar com o pagamento da dívida aos credores.

A notícia foi avançada esta quinta-feira pela revista Exame Informática, que recorda o percurso elogiado de empreendedor do fundador da Ydreams, o professor da Universidade Nova que queria concorrer com o Iphone e que ganhou o Prémio Pessoa. Segundo a publicação, a empresa de tecnologia tem uma dívida de quase 18 milhões de euros e uma lista provisória de 180 credores, entre trabalhadores, Estado (segurança social e fisco), empresas de telecomunicações, acionistas e bancos.

O Novo Banco é o maior credor, reclamando 7,7 milhões de euros. Mas também António Câmara e Maude Queiroz Pereira, irmã de Pedro Queiroz Pereira, reclamam créditos sobre a Ydreams, adianta o Jornal de Negócios que cita a lista publicada pelo Tribunal do Barreiro. Na lista estão ainda o BCP (1,467 milhões de euros); a Caixa Geral de Depósitos (1,693 milhões de euros); o BIC com 363 mil euros; a Parvalorem, empresa que gere os ativos tóxicos do “antigo” BPN, com 222 mil euros.

A empresa que tinha sede no Campus do polo da Costa da Caparica da Universidade Nova e era especializada em ambientes digitais, tendo trabalhado para grandes companhias internacionais.

Numa declaração citada pela Exame Informática, António Câmara deixa o comentário: «Depois de anos extremamente difíceis, submetemos um pedido de PER, mas estamos absolutamente confiantes de que vamos recuperar».